Fotografia e literatura promovem turismo paraense no Brasil e na Europa

Exposições de fotografia em Portugal e na Alemanha, e o lançamento de livro, mostram a riqueza cultural e turística do continental território paraense

30/09/2020 17h46 - Atualizada em 30/09/2020 18h58
Por Israel Pegado (SETUR)

O patrimônio histórico e cultural do Pará proporciona um cenário variado para fotografias, histórias e documentações. Neste ano, o Pará será apresentado, em peças fotográficas, em duas exposições na Europa, e um livro será lançado contando as ações já realizadas pela Pastoral do Turismo (Pastur), da Basílica Santuário de Nazaré. Os trabalhos apresentam para o restante do Brasil, e muitos outros países, a cultura, os saberes, as crenças e a diversidade da natureza paraense.Exposição de Marise Maués, que retrata o fazer artesanal dos extrativistas de açaí

As fotógrafas paraenses Paula Giordano, Fatinha Silva e Marise Maués fizeram a exposição “Magia e Mitos” na 14ª Semana Latina de Marburg, na Alemanha, entre os últimos dias 20 e 26 de setembro. Em “Casa de Farinha”, Paula Giordano apresenta o preparo artesanal da farinha de mandioca, um trabalho realizado entre os anos de 2013 e 2019. “Mais do que um local de fabricação de alimento, as casas de farinha reforçam os laços de pertencimento e identidade das comunidades que enxergam a importância da produção de mandioca para suas vidas, especialmente quando se trata de populações da zona rural”, explica a autora.A fotógrafa Paula Giordano divulga o Pará na Europa

A pesquisa de Paula Giordano investiga as relações do homem com o meio, seja na religião, no trabalho ou nas relações interpessoais. Foram expostas seis fotografias de Paula Giordano, e mais dez de Fatinha Silva, com o tema “Os ribeirinhos”, e de Marise Maués retratando os extrativistas de açaí, que também valorizam o fazer artesanal.

“Um árduo trabalho revezado entre os membros da família. A casa do sr. Santino, no Cametá, em Bragança (município do nordeste paraense), um dos locais onde foram feitas as imagens, a farinha é torrada no mesmo tacho de bronze há três gerações”, informa a fotógrafa.

“Vivências no Pará” - Janes Jaques, turismóloga e coordenadora da Pastur da Basílica, lançará no próximo sábado (3 de outubro), às 18 h, em live no Instagram, o livro “O Semear a Pastoral do Turismo: Vivências no Pará”, que apresenta a formação da Pastur desde 2014, em quatro vertentes: Profética, Formação de agentes, Turismo Religioso e Turismo de Base Comunitária. A publicação mostra projetos desenvolvidos no Pará, a carta para o 41º Dia Mundial do Turismo e um parecer pessoal sobre a retomada do turismo e a importância de novos núcleos pastorais em todo Brasil. O lançamento presencial está previsto para os dias 21 e 22 de novembro, em Aparecida (interior de São Paulo). Em Belém, o evento será no dia 26 de novembro, na Loja Lírio Mimoso, ao lado da Basílica.Janes Jaques lançará o livro “O Semear a Pastoral do Turismo: Vivências no Estado do Pará”

Segundo Janes Jaques, dentre os principais eventos desenvolvidos está a peregrinação por setes igrejas de Belém (Rosário pelas ruas). “Esse projeto foi apresentado para as agências de viagens de Belém como incentivo ao turismo religioso e sugestão de city tour. Além disso, temos o Mini Círio de Nazaré, com o objetivo de incentivar a visita ao complexo do Santuário fora do período do Círio”, ressalta a coordenadora.

Ela diz ainda que a Pastoral do Turismo é um serviço de evangelização dentro dos novos caminhos do turismo. “Acredito que a acolhida e qualificação no serviço de atendimento ao turista na Basílica Santuário se tornou um grande diferencial e referência para as igrejas históricas do Pará. O visitante que se desloca para os grandes centros de visitação em busca de Deus, da arte ou cultura local, precisa ser bem acolhido para retornar e levar uma impressão positiva da nossa cidade”, reitera Janes Jaques.

Conexão - “Transa, Baladas do Último Sol”, exposição de Ângela Berlinde, na cidade do Porto, em Portugal, está aberta à visitação até 31 de dezembro, composta de imagens de Belém, da floresta amazônica, dos rios descritos como “maravilhosos” e menções ao Theatro da Paz, às comunidades ribeirinhas e às fazendas.

A fotógrafa descreve o trabalho como “o meu mais recente amor, que se foi desenhando durante a pandemia”. Ângela Berlinde fez parte do projeto Transatlântico – Programa de travessias visuais, que busca “reforçar uma dimensão simbólica do potencial turístico como lugar estratégico de luz e imaginários, metáforas que permitem transformar os circuitos econômicos e socioculturais”.

Impacto internacional - O Projeto Transatlântico juntou fotógrafos portugueses e paraenses, com ênfase principal na informação turística, “permitindo, desta forma, a conquista de novos públicos, com forte impacto nacional e internacional”, informam os organizadores.

Para o secretário de Estado de Turismo, André Dias, é muito bom ver fotógrafos paraenses e europeus em destaque com seus trabalhos. “É com muita alegria que nós vemos esses dois projetos sendo realizados na Europa, em Portugal e na Alemanha, ainda mais com exposições fotográficas que se inspiraram aqui no Pará, na cultura paraense, nos nossos hábitos, costumes, na nossa natureza, levando para o mundo o que é o Pará”, destaca o titular da Setur. (Com a colaboração de Aila Beatriz Inete).