Produtos agroecológicos são comercializados na 1ª Feira da Agricultura Familiar

Feira incentiva consumo de alimentos saudáveis e fortalece trabalho de pequenos produtores

30/09/2020 11h05 - Atualizada em 30/09/2020 12h29
Por Anna Paula Mello (SEMAS)

Produtos da agricultura familiar foram comercializados nesta quarta-feira (30), em BelémAgricultores familiares de vários municípios venderam produtos agroecológicos nesta quarta-feira (30), durante a 1ª Feira da Agricultura Familiar realizada pela Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). A feira foi montada na rua, em frente à instituição, para uma clientela formada principalmente por servidores do órgão ambiental e moradores da vizinhança.

O agricultor familiar Adilson de Deus dos Santos, do sítio Witewa, na comunidade quilombola Boa Vista do Itá, do município de Santa Izabel do Pará, no nordeste do estado, comercializou manga, abacaxi, pupunha cozida, açaí, tucupi, maniva e ovo caipira. “Sempre plantei, colhi e vendi direto pro consumidor, porque elimina o atravessador e barateia todos produtos. Para nós, essa feira está tendo um resultado muito bom, porque montada na rua tem mais visibilidade para quem passa aqui”, elogia o produtor.

Produção local e preço baixo atraíram consumidores

A Semas coordena o Programa de Educação Ambiental e Agricultura Familiar do Pará (Peaaf/PA), por meio da Coordenadoria de Educação Ambiental (Ceam). Um dos integrantes da coordenação da Feira, Lucivaldo Pontes, explica que a ação busca o fortalecimento da produção familiar, uma das finalidades do Programa Territórios Sustentáveis, do Plano Amazônia Agora, do governo do Estado. “A intenção da feira é promover mais conscientização e valorização do agricultor familiar, como fornecedor de produtos mais saudáveis, orgânicos, agroecológicos, para adoção de práticas saudáveis no consumo alimentar”, explica o técnico da Ceam.

Lília Vilar, consumidora dos produtos da feira, disse que os preços estão bons e as ofertas muito variadas. “A feira evita a gente de ir em outros locais com mais aglomerações, e isso é uma grande vantagem nesses tempos de pandemia do novo coronavírus”, alertou.