Serviço de classificação vegetal da Adepará auxilia no controle da qualidade de produtos

28/09/2020 17h54 - Atualizada em 28/09/2020 18h15
Por Monique Hadad (ADEPARÁ)

Determinar a qualidade de produtos de origem vegetal, com base em padrões oficiais é a finalidade do serviço de classificação, desenvolvido pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adepará), por meio da Gerência de Classificação de Produtos de Origem Vegetal (Gecov). Atualmente, são classificados os seguintes itens: arroz beneficiado, arroz em casca, feijão, castanha-do-Pará, pimenta do reino e fibra de juta.

De acordo com o responsável pela Gerência de Inspeção e Classificação Vegetal e Identificação Florestal (GICVF), Nelson Leite, o trabalho de classificação é essencial no controle de qualidade dos produtos. “A classificação determina as qualidades intrínsecas e extrínsecos de um produto vegetal com base nos padrões oficiais. Ela garante a qualidade e segurança com vista à comercialização, adquirindo consequentemente melhores preços no mercado”, afirma.

Para ser classificador, é necessário realizar um curso para cada produto com o qual o servidor queira atuar. Após o treinamento, é emitido um certificado que respalda o exercício da atividade junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). 

Classificador da Adepará há 18 anos, o servidor Orivaldo Raimundo Pinheiro afirma que todas as pessoas jurídicas que atuam como empacotadoras de produtos vegetais, subprodutos e resíduos de valor econômico destinados à alimentação humana devem classificá-los. Ele explica o passo a passo do trabalho. 

“Inicialmente, a empresa solicita a coleta do produto por meio de uma petição. Após passar pelo registro no livro de protocolo, a amostra é levada até os maquinários, para a  análise do material. Se ele estiver de acordo com as exigências, é emitido o certificado do produto que o torna apto à comercialização”, relata. Se o produto analisado não estiver de acordo com as informações prestadas pela empresa, a Adepará emite um documento alegando a inconformidade, para a realização das adequações necessárias.

Orivaldo atenta para a importância de os supermercados exigirem que os produtos a serem comercializados tenham o certificado de classificação. O registro é fundamental para salvaguardar o interesse do público, quando associado às regras do Código de Defesa do Consumidor, pois o serviço atesta a qualidade dos produtos destinados à alimentação humana. Dessa forma, proporciona que o consumidor pague um preço justo pelo produto adquirido, de acordo com a sua qualidade.

O trabalho de classificação, realizado pela Adepará, por vezes atende a produtos vindos dos demais estados da Federação e, até mesmo, outros países. Foi o caso de uma juta, que chegou à unidade da Agência, vinda do país asiático de Bangladesh. “Esse produto foi enviado até nós, pois não existe classificador de juta no Brasil, somente aqui no Pará. Então, o nosso setor de classificação é sumariamente importante, não só para o Estado como para todo o país”, ressalta Paulo de Tarso, servidor da Adepará que atua há 45 anos com a classificação de produtos.

O assistente administrativo Isaac Santos desenvolve atividades na Gecov há 15 anos e afirma que, a cada ano, a gerência classifica cerca de 30 mil toneladas de produtos, principalmente arroz e feijão. Um volume representativo, que demonstra a representatividade do trabalho executado. Atualmente, 65 empresas empacotadoras de alimentos realizam a classificação de produtos junto à Adepará. “Aqui, o serviço é feito com a celeridade necessária. O empacotador tem benefícios, obtendo um certificado que demonstra a sua qualidade, e o consumidor também, pois confia no que está consumindo. Todo o trabalho da Adepará tem a ver com a qualidade da alimentação que é entregue à população”, complementa Isaac.

Serviço: O posto de classificação da Adepará fica localizado em Belém, na Travessa Frutuoso Guimarães, nº 12 – Campina. Saiba mais informações por meio do contato: (91) 3241-4238.