Territórios Sustentáveis estreita diálogo com produtores rurais de Água Azul do Norte

Projeto avança na região do Xingu com fase inicial de mobilização e sensibilização dos produtores

28/09/2020 10h46 - Atualizada em 28/09/2020 20h21
Por Anna Paula Mello (SEMAS)

Equipe formada por técnicos e gestores do Programa Territórios Sustentáveis esteve no município de Água Azul do Norte O trabalho na fazenda parou por algumas horas, nesta segunda-feira (28), para que dezenas de produtores rurais de Água Azul do Norte, no sudeste do Pará, participassem de uma reunião com os gestores do Projeto Territórios Sustentáveis (TS). Além de conhecer o programa do governo do Estado, eles tiraram dúvidas e também puderam expor as dificuldades atuais no cenário de pandemia do novo coronavírus.

Mais do que falar, o objetivo do encontro é ouvir o que os produtores rurais tem a dizer, conforme explica o secretário adjunto da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) e coordenador geral do TS, Raul Protázio. “Nós estamos nessa fase inicial de mobilização e sensibilização dos produtores rurais e, ao longo desse processo, nós fazemos ajustes e correções com base nas sugestões e nesse contato mais próximo com a realidade do campo em cada uma dessas cidades”.

A reunião foi em uma escola estadual da região e contou com a participação de gestores e técnicos das secretarias e órgãos ambientais que fazem parte do TS, como a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), que conseguiu traçar um panorama produtivo e das necessidades dos produtores locais de Água Azul.

O produtor Nábio Ferreira ficou satisfeito com o projeto: regularização dos documentos e crédito pra investir nas técnicas de inseminação

“Nós percebemos que existe aqui uma enorme capacidade produtiva do gado leiteiro, até mais do que o gado de corte. A partir de então, poderemos trabalhar com fomentos e insumos voltados à esse tipo de atividade e ainda fazer cada produtor rural entender, que é possível melhorar a produtividade de maneira sustentável”, explica Lucas Vieira, secretário adjunto da Sedap.

Nábio Ferreira é produtor de leite na área rural de Água Azul do Norte. A fazenda dele tem pouco mais de 140 hectares e cerca de 200 cabeças de gado, com capacidade de produzir mais de 150 litros de leite por dia. No entanto, com a pandemia, alguns insumos ficaram mais escassos e o impacto disso foi sentido na produção. “Nós tivemos dificuldade de alimentar o gado com a qualidade necessária, com isso diminuiu a minha produção de leite também”, lamenta.

O produtor rural gostou do que ouviu durante a apresentação do projeto Territórios Sustentáveis, que trabalha a regularização fundiária e ambiental, apoio técnico, acesso a linhas de crédito e novos mercados. “Tem muita coisa que é boa pra mim nesse projeto, como a regularização dos documentos e o crédito pra investir nas técnicas de inseminação e na estrutura da propriedade. Isso garante qualidade aos animais e também aumenta a produção”, comemora Nábio Ferreira.

Desenvolvimento sustentável - O Projeto Territórios Sustentáveis é um dos pilares do Plano Estadual Amazônia Agora (PEAA), do Governo do Pará, com coordenação da Semas. O plano tem como objetivo central promover o desenvolvimento sustentável no campo e, com isso, diminuir o desmatamento, a emissão de gases do efeito estufa e ainda garantir avanços sociais e ambientais no interior do Pará.

O projeto atua inicialmente na região do Xingu, em Ourilândia do Norte, Água Azul do Norte, Tucumã e São Felix do XinguO TS é uma política integrada das seguintes secretarias e órgãos estaduais: Instituto de Terras do Pará (Iterpa), Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), Sedap, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Semas e Emater-Pa.

O projeto atua inicialmente na região do Xingu, nos municípios de Ourilândia do Norte, Água Azul do Norte, Tucumã e São Felix do Xingu, na PA-279. Ao todo, são 674 vagas para produtores rurais e cerca de 500 já estão preenchidas. As inscrições podem ser feitas pelo site da Semas (clique aqui) ou nos polos de atendimento da Emater-PA e Adepará, nos municípios atendidos nesta fase do projeto.

“Agora que nós já passamos pelos quatros municípios, nós estamos encerrando a fase de mobilização e passaremos à fase de habilitação dessas propriedades atendidas para que os proprietários possam ter acesso ao apoio técnico, aos fomentos, ao crédito, à regularização dos documentos, tudo aquilo que o projeto oferece”, conclui o coordenador do TS, Raul Protázio.