Folhagem nova mostra que transplante de samaumeiras da BR-316 foi um sucesso

Árvores protegidas por lei municipal reagem bem à transferência de local, feita há sete meses, em uma mega operação do projeto Nova BR

22/09/2020 16h23 - Atualizada em 22/09/2020 16h50
Por Michelle Daniel (NGTM)

No canteiro do Viaduto do Coqueiro, a samaumeira transplantada dá sinais de que resistiu bem à mudança de terreno e vai vicejarSem dúvida, o Dia da Árvore – comemorado no dia 21 de setembro - possui grande relevância e é por isso que o Governo do Pará celebra todos os dias a vida de duas belas samaumeiras transplantadas na rodovia BR-316. A ação inédita na Região Metropolitana foi realizada em janeiro deste ano, por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), como demonstração de que a atual administração pública prioriza o meio ambiente em seus projetos.

Já são sete meses que as árvores precisaram mudar de endereço – antes localizadas no canteiro central da BR, à altura do km 3, agora, em uma das pétalas do viaduto do Coqueiro, sentido Belém-Marituba. E quem passa pela rodovia já percebeu que a ação foi um sucesso. 

“Quando foi divulgado que elas seriam transplantadas, duvidei que daria certo porque nunca tinha visto, ainda mais nesse porte. E, agora, fico feliz em vê-las cada vez mais verdinhas”, comenta Adriana Favacho, assistente administrativa, moradora no conjunto Júlia Seffer.

O projeto Nova BR previa o corte com supressão vegetal das duas samaumeiras, porque elas estavam na faixa de domínio das obras, mas o Governo do Estado, sensível à causa ambiental e reconhecendo a importância delas para a Região Metropolitana de Belém, decidiu pela manutenção delas por meio do transplante.

Atualmente, as árvores já possuem nova folhagem como parte do processo natural da fisiologia da planta, mas novos brotos continuam nascendo, na cor avermelhada, em vários pontos das árvores, o que demonstra uma reação positiva até que, em alguns meses, elas possam ganhar copa frondosa como antes. 

REFERÊNCIAS

Para que o transplantio fosse realizado com o mínimo de prejuízo possível às árvores, foi necessária uma mega operação dividida em dois momentos. Elas receberam poda total devido a uma passarela localizada a caminho do destino das samaumeiras.

A árvore maior tem em torno de 25 anos, 10 metros de altura (sem folhagem) e pesa cerca de 15 toneladas. Já a menor, tem em torno de 12 anos, atinge altura de 7 metros (sem folhagem) e pesa cerca de 5 toneladas.

 “Foi o esforço que o Governo fez para preservar as espécies, que são referências para a nossa região e protegidas por lei. Com o surgimento constante de nova folhagem, podemos constatar a força da natureza e que as gerações futuras possam preservar essas espécies que o atual Governo teve a sensibilidade na manutenção delas”, afirma Eduardo Ribeiro, diretor-geral do NGTM.

A samaumeira é protegida por Lei do Município de Belém nº 7.709/1994, que prevê a permanência da espécie existente nos logradouros públicos por integrarem o patrimônio histórico e ambiental da cidade. 

Outras três samaumeiras, duas delas localizadas na rodovia, próximo ao viaduto do Coqueiro, e uma na área onde está sendo construído o prédio do Centro de Controle Operacional (CCO) – no complexo do Comando Geral da Polícia Militar, na Augusto Montenegro – também foram integralmente preservadas devido a uma readequação no projeto.

O trabalho integra o projeto de paisagismo da Nova BR, que nos primeiros 10,8 km prevê o plantio de 26 diferentes tipos de árvores e quase 1.600 mudas nos canteiros central e lateral da rodovia.