Graesp transporta peixes-boi para Santarém por compromisso com recursos naturais

Transporte modal aéreo é o mais recomendado nesse tipo de demanda, por oferecer maior segurança aos animais em menor tempo possível

16/09/2020 14h23 - Atualizada em 16/09/2020 17h03
Por Aline Saavedra (SEGUP)

Um dos exemplares transportados pelo Graesp nesta quarta-feira (16) popularmente conhecido como peixe-boi-da-amazôniaA manhã desta quarta-feira (16) para os agentes do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp), órgão vinculado à Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará (Segup), não foi de trabalho ostensivo, de combate à criminalidade nem de perseguição policial, mas da dedicada ajuda à preservação da vida de três filhotes de peixes-boi-da-Amazônia (Trichechus inunguis).

Os animais foram transportados até à cidade de Santarém, região oeste estadual, com destino final ao Zoológico da Universidade da Amazônia, na cidade santarena, onde serão tratados no Centro de Reabilitação e Manutenção de Animais Oriundos de Resgate no Estado do Pará.

Os animais, uma fêmea de aproximadamente dois anos e meio de idade e dois machos, de sete a 10 meses, foram resgatados em Limoeiro do Ajuru, Cametá e Santa Cruz do Arari, ainda nos primeiros meses de vida e trazidos para a base do Bioma sediado no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), na Universidade Rural da Amazônia (Ufra), em Santarém, para o tratamento adequado até estarem aptos a retornar a vida no habitat natural. 

Equipe se cerca de cuidados para garantir a segurança ao traslado do peixe-boi-da-amazônia, mamífero da família dos triquecídeosO transporte no modal aéreo é o mais recomendado nesse tipo de demanda, por oferecer maior segurança aos animais, em um menor período de tempo, o que aconteceu em 2h40. Numa viagem terrestre convencional o traslado poderia durar mais de 48 horas.

"Esse transporte mostra a versatilidade dos nossos agentes que atuam no Graesp, formado pela união das forças da Segurança Pública em operar nossas aeronaves, além de serviços aeromédicos, de transporte de equipamentos hospitalares, em especial no período da pandemia, transporte de servidores, transporte de efetivo para operações policiais'', observou o secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, Ualame Machado. 

Ele frisou que o Graesp contribui também à preservação do meio ambiente. "Seria dificultoso pelo meio fluvial e rodoviário. Há casos inclusive em que isso é inviável. Então, a única forma de fazer esse transporte preservando a vida dos animais, seria da forma aérea, o Graesp garante mais esse apoio em prol do meio ambiente e fortalece sua atuação em todo o Estado do Pará", garantiu o titular da Segup, Ualame Machado. 

No traslado foram cumpridos os cuidados necessários, explicou Maura Souza, representante do Instituto Bicho D'água. "A viagem demoraria em torno de três dias e nós não saberíamos como esses animais iriam se comportar no meio fluvial, pois não teríamos como prever como a maré iria estar. Essa prática (traslado  aéreo) já ocorre com muita frequência, especialmente no Estado do nordeste brasileiro. Então, nós resolvemos buscar esse auxílio no Graesp, junto ao Governo do Pará e conseguimos fazer o transporte de forma mais segura e rápida".

Os peixes-bois não foram os primeiros animais a serem transportados pelo grupamento. Uma anta já foi levada de Belém para o interior. O diretor do Graesp, coronel Armando Gonçalves destaca que é sempre uma missão importante.

"É muito especial. O Graesp é multifuncional e nesse momento estamos dando a nossa contribui para manter a Amazônia viva", finalizou.