Lideranças do Jurunas participam do ciclo de encontros sobre o TerPaz

Grupo de moradores foi o segundo dos sete Territórios Pela Paz a participar da reunião

11/08/2020 16h48 - Atualizada em 11/08/2020 17h08
Por Paulo Garcia (SEAC)

Moradores do Jurunas falando sobre a realidade do bairroA Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac) convidou, na manhã desta terça-feira (11), um grupo de líderes comunitários do bairro do Jurunas para participar de uma reunião de alinhamento das novas estratégias do programa estadual Territórios Pela Paz. O encontro, que iniciou na última sexta-feira (07) com representantes da Cabanagem, visa integrar gestores da Seac e moradores dos bairros atendidos pelo TerPaz.

Rosa Correira, liderança do JurunasRosa Correia, uma das líderes comunitárias da Rede Local do Jurunas, esteve presente na reunião e apoiou as novas estratégias. “É muito bom poder conhecer um pouco mais sobre as novidades do TerPaz, até porque os outros moradores cobram da gente, então é importante acompanhar mais de perto essas atividades para repassar à comunidade”, disse.

O secretário-adjunto da Seac Raimundo Santos abriu o evento e ressaltou a importância de estabelecer esse vínculo com o Governo. “A Seac busca cada vez mais estar próximo da comunidade atendida pelo TerPaz, por isso, elaborou esse ciclo de encontros individuais com os líderes da rede local dos sete territórios para falar sobre os conceitos do TerPaz e o andamento das obras das Usinas da Paz que está sendo muito aguardada por eles”, comentou o secretário-adjunto.

Dando continuidade na reunião, o Coordenador do Núcleo de Relações Institucionais da Seac, Julio Alejandro Quezada Jélves, explicou o conceito do TerPaz e a reestruturação da Câmara Técnica Intersetorial (CTI) da Seac que é responsável por articular as ações, junto às 35 secretárias, órgãos e fundações participantes do TerPaz. Em seguida, a gestora do Núcleo de Articulação da Cidadania, Delma Braga, falou da importância da Rede Local na execução das ações nos territórios.

Usinas da Paz – Para finalizar o encontro, o diretor das Usinas da Paz, Coronel Marcos Lopes, atualizou o andamento das obras da Usina que será construída, em parceria com a empresa Hydro, no Jurunas. Já foi realizado a escolha, topografia e a sondagem do terreno. A próxima etapa será a terraplenagem e a instalação do canteiro de obras.

“Estamos com o ritmo acelerado e trabalhando bastante para que as 10 Usinas da Paz sejam entregues o quanto antes, em relação a Usina do Jurunas, já avançamos na primeira etapa e logo, quando as construções começarem de fatos, os próprios moradores vão poder visitar o local”, apontou o Coronel Marcos Lopes.

Para o morador Helder Pantoja, a Usina representa esperança para um bairro que já foi esquecido pelo poder público. “O Jurunas não tem espaços para nossos jovens desenvolverem atividades, recreação ou descobrir uma profissão, por exemplo, e percebemos que a Usina da Paz vai conseguir resgatar e orientar tantas pessoas que precisam, muita gente aguarda ansiosamente essa obra ficar pronta”, contou.

Helder Pantoja, líder comunitário do jurunas, falando da importância da Usina da Paz para o bairro

Projeto – Coordenadas pela Seac, as Usinas da Paz consistem em grandes complexos públicos, em áreas de aproximadamente 10 mil metros quadrados, com a finalidade de garantir a permanência do Estado nos territórios, com ênfase na prevenção à violência, inclusão social e fortalecimento comunitário, com três eixos fundamentais: assistência, esporte/lazer e cultura.

Maquete da Usina da Paz que será construída no JurunasAs UsiPaz terão complexos esportivos, salas de audiovisual, inclusão digital e vários serviços, como atendimento médico e odontológico, consultoria jurídica, emissão de documentos, ações de segurança, atividades profissionalizantes, espaço multiuso para feiras, eventos e encontros da comunidade. Também haverá espaços para cursos livres, dança, artes marciais, musicalização e biblioteca.

Além de democratizarem o acesso ao esporte, lazer e à produção cultural, essas atividades concretizarão a convivência comunitária e propiciarão a prestação de serviços pelas secretarias estaduais e órgãos governamentais envolvidos no TerPaz.