Fiscalizações diminuem em 38% o desmatamento no Pará no mês de julho

Nesse final de semana, após denúncia, dois portos clandestinos foram fechados e 8,25 metros cúbicos de madeira foram apreendidos em Moju

10/08/2020 14h09 - Atualizada em 10/08/2020 15h20
Por Anna Paula Mello (SEMAS)

Uma equipe de fiscais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) chegou na vila de Soledade, no Município de Moju, no domingo (09), para averiguar o local do acidente onde um caminhão carregado com madeira virou em uma balsa. Os fiscais foram informados por testemunhas que o motorista teria deixado o local com o veículo aindaq na última sexta-feira (07), data do ocorrido.

A equipe de fiscalização apreendeu a balsa que aparece na imagem feita com o celular, que mostra o momento exato do acidente. Nesse mesmo porto, foi encontrado um caminhão com 8,25 metros cúbicos de estacas de madeira, também apreendidas pela equipe da Semas. Em seguida, os fiscais fizeram incursões na área e fecharam dois portos clandestinos, que faziam a carga e descarga de produtos florestais irregulares.

As fiscalizações e o trabalho repressivo que coíbe os crimes ambientais fazem parte do pilar de Comando e Controle, estabelecido pelo Programa “Amazônia Agora”, do Governo do Estado do Pará, coordenado pela Semas. Uma das ações dessa macroestratégia, no que se refere às fiscalizações já surtem resultados importantes, como a segunda fase da “Operação Amazônia Viva”, composta por equipes da Força Estadual de Combate ao Desmatamento, que atuou em sete frentes no interior do Estado, do dia 13 a 31 de julho.

A presença dos fiscais  pode estar relacionada à diminuição de 38% no desmatamento (em áreas de jurisdição estadual, dentro do território paraense), no mês de julho de 2020, comparado ao mesmo período do ano passado. Se levarmos em consideração o território paraense como um todo, incluindo as terras federais, essa redução é de quase 20%. “A estratégia do Pará não é só de repressão, esse é um importante ponto sim! Mas nós estamos também em um processo de indução de boas práticas no campo e regularização fundiária no interior do Estado. Tudo isso, de maneira integrada com outros órgãos. Nós esperamos que esta seja uma virada de página do Estado para uma economia sustentável e a diminuição do desmatamento”, afirma o titular da Semas, Mauro O`de Almeida.

A “Operação Amazônia Viva” terá nova fase prevista para iniciar ainda em agosto. A idéia é que atuação dos fiscais seja quase que permanente, para que a presença das equipes possa coibir os crimes ambientais no interior do Estado, em áreas sensíveis, monitoradas via satélite com ajuda da tecnologia do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe. “A terceira fase acontecerá ainda em agosto, mas nós permaneceremos em campo em setembro, outubro e novembro”, explica o Diretor de Fiscalização da Semas, Rayrton Carneiro.