Defensas instaladas na ponte Rio Acará impedem danos após choque de balsa carregada de madeira 

03/08/2020 18h04 - Atualizada em 03/08/2020 18h26
Por Kátia Aguiar (SETRAN)

O investimento feito pelo Governo do Estado na instalação de defensas no complexo de quatro pontes da Alça Viária, na PA-483, tem impedido que novas tragédias como a que ocorreu em abril do ano passado com a ponte União (sobre o Rio Moju) voltem a se repetir. Nesta segunda-feira (3) uma balsa carregada de madeira perdeu o controle, e chocou-se com as defensas da ponte rio Acará, que suportou o impacto, sem danos à estrutura da ponte.

“Os dolfins flutuantes de proteção foram projetados para proteger integralmente os pilares dos vãos utilizados para a navegabilidade, com dimensões em planta de 18,54 x 38,55 metros, em estrutura metálica, e cerca de 185 toneladas cada; e ainda defensas em concreto armado em todo o perímetro, com aproximadamente 150 toneladas, garantindo que o impacto não chegue até a estrutura da ponte”, pontuou Pádua Andrade, secretário de Estado de Transportes.

A ponte rio Acará fica localizada no KM-44 da PA-483, e junto com outras três pontes: Rio Guamá, União (Rio Moju) e Cidade de Moju fazem a ligação da Região Metropolitana de Belém (RMB) com o Sudeste e Sul do Pará.

Obras de restauração

Com uma extensão de 860 metros, a estrutura construída há mais de 20 anos passou por uma restauração completa e ficou pronta no final do mês de julho passado. Além das defensas, a ponte teve sua base de sustentação realinhada, que foi movida por constantes choques. Houve ainda a revitalização da pintura de sinalização nos blocos de fundação, pintura final do guarda-corpo metálico, colocação de drenos do tabuleiro, substituição e limpeza das juntas de dilatação e acabamento externo nas laterais da ponte.

A ponte rio Acará é a terceira do complexo de quatro pontes da Alça Viária que passa por manutenção. A Setran entregou no início deste ano a reconstrução de um trecho da ponte União, que foi parcialmente destruída por um choque de uma embarcação desgovernada, e também conclui a restauração da Rio Guamá, que também está com mais de 90% da obra concluída. Todas terão dolfins de proteção contra grandes impactos.