‘Carretas pela Paz’ fortalece parceria entre o Governo do Pará e a Alcoa

O projeto vai investir em formação profissional para pessoas em situação de vulnerabilidade social

22/07/2020 21h04 - Atualizada em 23/07/2020 14h15
Por Carol Menezes (SECOM)

A empresa Alcoa reafirma o compromisso com o governo do Estado de participar do Programa Territórios pela Paz (TerPaz), por meio do Projeto “Carretas pela Paz”. Assim que for superada a pandemia de Covid-19, a mineradora de alumínio – sediada no Pará no município de Juruti - doará cinco carretas para a criação de pontos itinerantes de acesso à formação profissional tecnológica, visando à qualificação de jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social para o mercado de trabalho, e posterior geração de renda.

Governador Helder Barbalho (c), Otávio Carvalheira, presidente da Alcoa no Brasil (e) e demais gestores na reunião que ratificou a parceria A iniciativa, anunciada nesta quarta-feira (22) durante reunião de representantes da empresa com o governador Helder Barbalho, está alinhada às premissas de atuação social da Alcoa, por meio do Instituto Alcoa, que trabalha para promover mudanças nas regiões onde a empresa está presente, investindo em projetos de educação e geração de trabalho e renda. O objetivo é trabalhar em parceria com o governo do Estado de forma transparente, e construir uma sólida relação, capaz de promover grandes transformações sociais.

Otávio Carvalheira, presidente da Alcoa no Brasil, afirma que parcerias com o poder público são fundamentais para garantir o bem-estar social. "O Governo do Pará tem feito um esforço exemplar no combate à pandemia, e nós, como empresa cidadã, estamos atuando para garantir nossa contribuição. O governador Helder Barbalho esteve em Juruti e viu nosso trabalho", disse ele, acrescentando que "a Companhia investiu em hospital e agora em aporte para viabilizar o atendimento à população durante a pandemia”. “Nossa operação de crescimento na região segue ativa, e foi tema da segunda parte da conversa com o governador hoje", informou Otávio Carvalheira.