Governo do Pará já abrigou aproximadamente 700 pessoas em situação de rua durante a pandemia

Acolhidos no Mangueirão e Mangueirinho recebem atendimento médico e psicológico, entre outros serviços

01/07/2020 09h41 - Atualizada em 01/07/2020 16h32
Por Camila Santos (SEASTER)

Acolhidos recebem alimentação, roupas e kits de higieneO governo do Estado já abrigou aproximadamente 700 pessoas em situação de rua no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, e na Arena Multiuso Guilherme Paraense, o Mangueirinho. O acolhimento faz parte do conjunto de ações emergenciais adotadas pelo Governo diante da pandemia da Covid-19 no Pará

Além de refeições, roupas e kits de higiene, os acolhidos têm acesso a atendimento médico e psicológico, além de emissão de documentação, atendimento jurídico e, consequentemente, ao cadastro do auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal, o que contribuiu para que muitos deixassem o abrigo a fim de retomar suas vidas, dessa vez com a possibilidade de uma moradia fixa, seja de aluguel ou retomando os vínculos familiares.

Ruan Vieira é um dos acolhidos que deixou recentemente o espaço. Para ele, o abrigamento foi um espaço de recomeço. "Eu não estava em situação de rua por conta das drogas, eu estava por situações familiares. Então, o abrigo foi muito importante, eu agradeço muito, pois aqui eu pude pensar e repensar, ver o mundo de uma outra forma. Pela vida que eu levava, eu nunca imaginei que teria a oportunidade de voltar pra minha família, hoje eu tô voltando pra casa", comemorou.

Ao longo da semana, aqueles que permanecem no espaço participam de atividades de esporte e lazer, além de cursos e torneios internos com jogos de tabuleiro e tênis de mesa. Aproximadamente 40 pessoas já participaram de instruções sobre a manutenção de jardins e gramados. 

A coordenadora de esporte e lazer do local, Thaíssa Arruda, diz que as atividades físicas têm sido incluídas na rotina de forma gradual. Segundo a profissional, a maioria dos acolhidos tem se envolvido e gostado do trabalho. "Nós temos feito um circuito funcional e incentivado torneios de tênis de mesa aos finais de semana. Todas as atividades fazem parte de um conjunto de orientações médicas importantes para a manutenção da saúde das pessoas que estão aqui", destacou a coordenadora.

No espaço, o atendimento de saúde abrange consultas, aplicação de medicamentos e testes rápidos, e quando necessário, encaminhamentos às Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Até agora, não foram registrados nenhum caso de Covid-19 entre os acolhidos.

A ação emergencial é coordenada pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), Ouvidoria Geral e Polícia Militar, e já envolveu mais de 150 pessoas na organização direta.