Igeprev apresenta funcionamento de Diretoria de Previdência à nova composição do Conselho Fiscal

04/06/2020 14h28 - Atualizada em 04/06/2020 16h03
Por Lucila Pereira (AGE)

Membros do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará (Igeprev) reuniram em videoconferência, na última quarta-feira (03) com a nova composição do Conselho Fiscal que fiscaliza o órgão. Estiveram presentes pelo Igeprev o Presidente da Instituição, Silvio Vizeu, a diretora de previdência, Renata Facióla e a coordenadora de Cadastro e Habilitação, Luísa Porto

Na ocasião, a Diretoria de Previdência do Igeprev expôs ao Conselho Fiscal o seu papel dentro da Instituição, destacando sua composição interna, atribuições, atuação estratégica em projetos institucionais e na disseminação da educação previdenciária a todos os órgãos da Administração Pública Estadual, servidores públicos e sociedade paraense.

Além disso, também foi apresentado um relatório referente ao total de aposentadorias concedidas às cinco maiores Secretarias/Órgãos Estaduais (Secretaria de Educação, Polícia Militar/Bombeiros Militar, Polícia Civil, Secretaria de Saúde) desde o início de janeiro de 2019 até maio de 2020, demonstrando o crescimento gradativo das concessões pelo Instituto, por meio de um quadro comparativo entre os anos 2018, 2019 e 2020. A análise mostrou que houve uma redução significativa do estoque de demandas da Polícia Militar/Bombeiros Militar, assim como do passivo de pensões por morte. 

A Diretoria de Previdência divulgou ainda um plano de ação voltado à digitalização de todos os processos de aposentadoria da SEDUC, visando dar celeridade na concessão desses benefícios, com objetivo de zerar o estoque atual até o final deste ano.

Outro tema importante e atual discutido no encontro foi a adaptação do trabalho remoto devido à pandemia ocasionada pelo novo coronavírus. A coordenadora de cadastro e habilitação, Luísa Porto, explicou que foi adotada uma força-tarefa de aquisição de equipamentos para digitalização dos processos para dar mais celeridade e possibilidade de análise remota dos mesmos. "O Instituto se adequou ao trabalho remoto. Agora se faz análise dos processos digitais que antes eram físicos, pois, com a força-tarefa de digitalização, os técnicos podem analisar os processos de forma remota. Ressaltando que a digitalização está sendo de forma progressiva e gradativa”, disse Luísa.

Os dados apresentados na reunião mostram que, apesar do cenário de pandemia, o Instituto rapidamente adequou-se e seguiu um bom ritmo de concessão, praticamente em nada perdendo se comparado quantitativamente ao ano de 2019. 

Para Luísa Porto, expor na reunião os resultados do Igeprev em relação as concessões foi extremamente relevante, pois possibilita que a sociedade cumpra seu papel de participante na gestão pública. “Uma reunião importantíssima para que o Igeprev fique cada vez mais transparente ao que acontece aqui. O conselho fiscal merece toda atenção, pois são representantes da sociedade que estão nos fiscalizando e a fiscalização deles é sempre bem vinda. Então eles devem saber como funciona o ritmo do Igeprev, os setores, o que cada setor faz, justamente para que possam entender a complexidade que é o processo de concessão de aposentadoria", pontuou a coordenadora.

A diretoria de Previdência do Instituto, Renata Facióla, também observou a relevância de momentos como este. "A importância de encontros dessa natureza se revelam na oportunidade de contribuir através da disponibilização de um acervo informativo e transparente para a divulgação das atividades internas realizadas por esta Autarquia de Previdência, para que possam ser difundidas, permitindo de forma gradual e progressiva a melhoria da imagem institucional”, destacou a diretora. 

Conselho Fiscal - O Conselho Fiscal do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará é o órgão de fiscalização e de manifestação relativa à gestão administrativa e econômico-financeira do Igeprev e do Funprev e é constituído por membros do TJE, da Alepa, do MPE e representantes dos servidores públicos ativos e inativos (civis e militares) e pensionistas do Estado.
 
Por Uriens Cañete e Lucila Pereira