Com apoio da emater, agricultores de Monte Alegre recebem R$ 1 milhão de crédito rural

Benefício vai alcançar 22 produtores para amparar, melhorar e expandir a pecuária de corte, além de plantios de limão taiti e mandioca

03/06/2020 14h24 - Atualizada em 03/06/2020 16h15
Por Aline Miranda (EMATER)

Projetos são para as linhas B e Mais Alimentos, do PronafApesar da pandemia provocada pelo novo coronavírus, 22 agricultores de Monte Alegre, no Baixo Amazonas, estão recebendo, neste período, um total de R$ 1 milhão em crédito rural.

Os projetos são do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), para as linhas B e Mais Alimentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com valores que variam de R$ 2,5 mil a mais de R$ 150 mil. O objetivo é amparar, melhorar e expandir pecuária de corte e plantios de limão taiti e mandioca de propriedades da zona vicinal das rodovias PA- 254 e PA- 423.

Dezessete agricultores já estão com o dinheiro em mãos, liberado pelo Banco da Amazônia (Basa). Os demais cinco aguardam a tramitação e devem receber nas próximas semanas. 

“Em relação ao limão, é para custear os tratos culturais, a manutenção da lavoura. Quanto à mandioca, preparo de área. Já sobre a pecuária, compra de matrizes e reprodutores selecionados geneticamente e construção ou reforma de curral e cerca de arame liso”, resume o técnico em agropecuária da Emater Weden Roberto Silva, responsável pelos projetos. 

De acordo com ele, ainda, “crédito rural” é uma atuação basilar da Emater. “Este é um trabalho que desenvolvemos de acordo com o calendário agrícola e Plano Safra. Um trabalho muito importante que, mesmo com o enfrentamento da Covid-19, não parou, porque a produção de alimentos não pode parar”, completa.

Dezessete agricultores já estão com o dinheiro em mãos. Outros cinco devem receber nesta semanaO casal Isaías e Ana Cleide Pedreiro, de 43 e 47 anos respectivamente, é contemplado pela quarta vez. “Sem crédito rural, sem capital de giro, seria preciso sacrificar a pecuária, vendendo gado sem estar no ponto, para conseguir cobrir as despesas com o limão, como mão de obra”, explica Isaías.

Os dois filhos também trabalham nas duas propriedades das famílias, a Fazenda Boa Esperança e Sítio Dois Irmãos. São sete mil pés de limão e 297 reses em cerca de 35 hectares.

META

A Emater planeja beneficiar pelo menos mais 50 famílias com crédito rural até o fim do ano, com o apoio do Basa, alcançando mais R$ 2 milhões e meio de incentivo à agricultura familiar.