Mulheres do Benguí se empoderam por meio da arte durante ação do TerPaz

Programação foi voltada para o protagonismo feminino, com roda de arte, cultura, carimbó e debate sobre economia criativa

15/03/2020 20h08 - Atualizada em 15/03/2020 20h26
Por Gabriel Marques (SECULT)

Oficina de grafite para mulheresA Secretaria de Estado de Cultura (Secult) realizou, neste domingo (15), mais uma ação voltada para o protagonismo feminino, dessa vez no bairro do Benguí. A programação faz parte do programa Territórios pela Paz (TerPaz), em parceria com o Grupo de Mulheres Brasileiras (GMB), e iniciou desde a última quinta-feira (12), com uma oficina de grafite para mulheres.

Neste domingo, as atividades começaram com uma roda de arte e cultura promovida pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet) e, em seguida, houve roda de carimbó, oficina de maquiagem e um bate-papo sobre economia criativa mediado pela diretora do Departamento Criativo da Secult, Lorena Saavedra.

Roda de conversas e bate-papo com moradora do BenguíSegundo o representante da Secult na Câmara Técnica do TerPaz, Adriano Barroso, o objetivo da ação é oferecer o compartilhamento de vivências e oportunidades. “Uma das propostas é 'derrubar os muros'. Por isso, estamos dentro desses territórios de paz, não só para oferecer serviços, mas também para debater, ouvir e transformar a sociedade a partir da cultura”, afirma.

Ministrante da oficina, a artista visual Mina Ribeiro conta que, durante todas as aulas de grafite, as alunas puderam não só aprender essa técnica, mas também entender formas de empreender sua arte.

“A oficina tem o formato empreendedor, vem afirmar que grafite não é só uma parede colorida. É possível reivindicar direitos com essa ferramenta política, ter a arte urbana como profissão, ser uma mulher empreendedora, ter autonomia financeira com essa ferramenta e contribuir empoderando outras mulheres!” - Mina Ribeiro, artista visual e ministrante da oficina.

“O grafite é uma técnica que eu acho linda! É arte! Antes de pintarmos o muro, houve uma pesquisa e um histórico para que aquele desenho surgisse, não é só pintar qualquer coisa. Foi o que aprendemos durante as aulas”, descreve a aluna da oficina, Vanessa Costa, momentos antes de grafitar o muro.

As demais atividades previstas para a tarde precisaram ser suspensas por conta das fortes chuvas.