Setran dá andamento às ações emergenciais na Ponte de Outeiro

Dois pilares foram atingidos durante a colisão de uma balsa com a ponte

10/03/2020 18h48 - Atualizada em 10/03/2020 19h13
Por Jackie Carrera (SECOM)

Depois de ter acompanhado a vistoria técnica do Corpo de Bombeiros do Pará e da Secretaria de Estado de Transportes (Setran) após uma balsa colidir com a ponte de Outeiro, o governador do Estado, Helder Barbalho se reuniu, na manhã desta terça feira (10), com o Secretário de Transportes Pádua Andrade e o consultor de engenharia Pedro Almeida para tratar das próximas ações emergenciais que serão tomadas.

Um relatório apresentado ao governador aponta que dois pilares foram atingidos durante o acidente, provocando danos nos blocos de concreto dessas duas estruturas de sustentação, sendo necessário restringir o trânsito na área para veículos que carregam cargas acima de 40 toneladas.

A Setran terá reuniões para orientar empresários responsáveis pelo tráfego de cargas na área e, ainda, deve comunicar a Capitania dos Portos e o Corpo de Bombeiros sobre outra medida preventiva que será tomada no canal de navegação onde está localizada a ponte. 

“Por determinação do governador nós daremos início a outra solução imediata que é colocar quatro balsas para proteger os pilares ali ao longo do canal de navegação, direcionando o fluxo de embarcações para o vão central e servindo de dolfes de proteção dos pilares, evitando assim que ocorra outro sinistro”, disse o secretário Pádua. As medidas de segurança se estenderão até que sejam executadas as obras necessárias.

Secretário de Transportes, Pádua Andrade, durante vistoria na ponte

A Setran já havia iniciado um projeto para a Ponte de Outeiro e deve acelerar os tramites licitatórios por conta da urgência. A previsão é que as obras iniciem dentro de 3 a 4 meses. O novo projeto prevê o aumento da altura da ponte que deverá atingir, no vão central de navegação, 16 metros; a recuperação de estruturas metálicas que estavam corroídas e a ampliação do comprimento da ponte que, atualmente, tem 360 metros e passará a ter 616 metros. Além disso, os pilares atingidos serão recuperados.

“A gente quer dar mais conforto aos usuários que ali trafegam e deixar a população tranquila que essa intervenção não afetará o trânsito no local como aconteceu com a ponte sobre o Rio Moju que ficou interditada para obras”, complementou Pádua Andrade.

Colisão – Na manhã da última segunda feira (9) a balsa “Josima IX” colidiu com pilares da ponte. Por volta das 10h, uma equipe do Corpo de Bombeiros, que estava nas proximidades, viu uma movimentação de ribeirinhos e, imediatamente, interditou a área e acionou apoio. Em seguida, a embarcação foi retirada do local por um empurrador. Na mesma manhã, o governador e o secretário de transportes acompanharam a vistoria técnica para verificar os impactos do acidente.