Novos turistas promovem desafio ao mercado

Nascidos na década de 90, os novos turistas exigem cada vez mais de seus destinos

21/02/2020 16h14 - Atualizada em 21/02/2020 18h47
Por Israel Pegado (SETUR)

Criados em um mundo cada vez mais conectado, os Millenials são um desafio para o turismo: anseiam por serviços mais rápidos, conectados e satisfatórios. A inovação tecnológica é o principal atrativo para esse consumidor. A internet é a principal aliada desses novos turistas na hora de planejar as suas viagens, e também, é na rede que eles desejam ampliar a sua experiência na região visitada.

Diferente de seus antecessores, que levavam algumas semanas para compartilhar o que viveram, os Millenials compartilham seu dia-a-dia na internet. Ou seja, uma experiência negativa ou positiva chega muito mais rápido ao público atingido pelo turista. A conectividade do local então, passa a ser um ponto decisivo na escolha da próxima viagem. 

É o caso de Jéssica Diana, estudante de 28 anos, que vê a internet como o guia para as viagens que vai fazer. “A internet é um ponto super importante. Se um dia eu quiser viajar para a Disney, a gente tem toda uma burocracia para chegar lá, porém a gente já sabe, já tem um roteiro preparado através de pesquisas na internet para onde a gente vai, para não ficar perdido. Por que eu vou pra Disney, mas eu não sei o que é isso, onde fica aquilo, e a internet vira um guia turístico, é um roteiro antes de viajar”, explica.

Os influenciadores digitais também participam dessa vivência. Eles são os responsáveis por apresentar um local ao seu público e despertar nele a vontade de viajar, como nos conta Jéssica. 

“Eu acompanho muito a Taciele Alcolea. Ela tem até uma bebezinha chamada Alice. E eles viajam muito para fora do Brasil, eles já foram para Portugal, México, França, enfim, eu acompanho muito. Um país que eu tenho muita vontade de conhecer é a França, e foi através dela que essa vontade, essa curiosidade aumentou mais”.

Para Fabiola Sodré, 18 anos, estudante, os sites de viagem e influencers servem para despertar o interesse sobre um local, e posteriormente, a pesquisa na internet. “Eu tenho duas formas de procurar destinos de viagem: o Instagram e a internet. Geralmente eu sigo páginas de viagens e pessoas, em que elas falam de muitos lugares que acabam chamando a nossa atenção. Então eu acabo vendo algumas programações e sites de viagens e eu fico interessada. Logo em seguida, eu pesquiso na internet para procurar mais sobre o país em si, porque o país tem muitos lugares para escolher, então tem que pesquisar bastante”, afirma. 

O itinerário na localidade também muda. Os viajantes de hoje desejam vivenciar a cultura local, chegando até a dispensar os hotéis e passar um tempo nas casas dos moradores locais. 

Mas por que investir nos Millenials?

Segundo o “2020 Hotel Trend Report”, divulgado pelo portal Hotel News Now, essa nova categoria de turista está mais disposta a gastar na viagem, gostam mais de viajar que seus antecessores e estão construindo uma relação de lealdade com os hotéis e locais que frequentam.

No Pará

O Estado lidera a conectividade no Norte do País. Dos 84 Municípios com wi-fi na região, 46 estão no Pará, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Fato que interessa aos novos turistas, ansiosos por conectividade. O Estado, além de ter internet gratuita em diversos destinos turísticos, também é vendido por diversos sites especializados. O TripAdvisor, por exemplo, conta com mais de 146 mil dicas sobre o turismo no Pará.

Em 2019, a Secretaria de Estado de Turismo (Setur) trouxe ao Pará, a blogueira holandesa Nienke, que conta com cerca de 1 milhão de seguidores no Instagram e 3,41 milhões no Youtube. De acordo com o estudo “Taking Stock With Teens”, cerca de 85% dos jovens utilizam a rede social ao menos uma vez por mês. Em seu vídeo produzido para o Youtube sobre a capital paraense, Nienke recebeu mais de 29 mil “likes” e cerca de 3,3 mil comentários. No Instagram oficial “Visit Pará”, as postagens sobre a visita da blogueira renderam cerca de 1000 visualizações diárias.

Texto com a colaboração de Helando Fragoso