Prorrogado convênio que beneficia piscicultores em Conceição do Araguaia

Técnicos da Sedap estiveram por uma semana no município avaliando o andamento das atividades

16/02/2020 10h59 - Atualizada em 16/02/2020 13h44
Por Governo do Pará (SECOM)

Projeto busca aumentar a fronteira aquícola do municípioTécnicos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) estiveram durante uma semana no município de Conceição do Araguaia, no sudeste do Pará, para avaliar o andamento de um convênio que visa aumentar a fronteira aquícola do município.

Os responsáveis em fazer o levantamento foram os engenheiros de pesca Thiago Cruz e Amanda Cordovil, ambos são técnicos em gestão de pesca e aquicultura. O trabalho em Conceição do Araguaia incluiu, além do levantamento documental e a situação atual dos próprios beneficiários, a visita nas 19 propriedades abrangidas pelo convênio. “Nós fomos verificar se elas ainda têm as mesmas condições de execução de atividades ou se é necessário serem feitos ajustes em qualquer aspectos referentes a atividade”, explicou Cruz.  

O secretário-adjunto da Sedap, Lucas Vieira, foi o articulador para que o convênio iniciasse essa nova etapa. Ele foi a Brasília e conseguiu a prorrogação do termo por mais dois anos. O valor do convênio é de pouco mais de R$ 250 mil, voltados para a construção de viveiros escavados para criação de peixe.

“É um convênio importante, pois são 19 famílias que serão agraciadas com tanques e poderão aumentar a sua produção e ter mais renda e mais benefício para toda a população” - Lucas Vieira, secretário-adjunto da Sedap.

Lucas Vieira observou que Conceição do Araguaia é um município forte na piscicultura com várias espécies sendo produzidas. “Eles estão se desenvolvendo nessa cadeia. Então é mais um motivo para a importância desse convênio e não deixar ele se perder”.

O secretário observou que os técnicos da Sedap estão em campo com frequência para orientar os produtores e oferecer capacitação técnica. “O Pará tem desenvolvido cada vez mais a piscicultura e a temos fomentando essa cadeia tão importante para nós”.

A visita também foi para analisar em quais condições o convênio será mantido. De acordo com Amanda Cordovil foram verificados quais os ajustes necessários de se fazer para o projeto ser realizado da melhor maneira possível aos produtores.  

Os engenheiros de pesca Thiago Cruz e Amanda Cordovil, da Sedap, responsáveis pelo levantamento na cidadeQualificação – Os dois técnicos avaliaram positivamente o desenvolvimento da atividade pesqueira em Conceição do Araguaia. Segundo a engenheira de pesca, desde o último levantamento, o “município caminhou muito bem na atividade. Percebemos que os produtores cresceram. Houve um aumento na produtividade. Há piscicultores que já ampliaram suas propriedades”, observou.

Com a mudança verificada, conforme esclareceram os técnicos, há necessidade de se alterar o objetivo do convênio. “O convênio prevê a escavação de 19 viveiros de mil metros quadrados. Mas, esse tipo de objetivo não é mais a realidade. Agora, é escavação, reforma, ampliação e construção de viveiros para piscicultura com uso de hora-máquina”, explicou.

Espécies – Thiago Cruz observou que o município tem como carro-chefe os peixes redondos, como tambaqui, pirapitinga e tambacu. Atualmente, segundo ele, Conceição do Araguaia já trabalha com menos força com o piracuru, que em anos passados,  já foi o principal tipo de pescado da cidade. “Hoje ele está um pouco atrás do peixe redondo, mas eles também trabalham com outras espécies, como o pintado real em uma escala bem menor”.

Os dois engenheiros de pesca destacaram a característica geográfica como uma dos fatores que contribuem para a alta produção de pescado no município.

Preços – Conceição do Araguaia tem atualmente um dos melhores preços de peixes redondos do Pará. De acordo com o levantamento feito por eles, os comerciantes locais conseguem comercializar o quilo do peixe a R$ 8 no atacado. “É um preço excelente. Eles vendem com um custo de produção abaixo de R$ 4. Comparado aqui com a região nordeste, por exemplo, o custo fica em torno de R$ 6 para eles conseguirem vender a entre R$ 7 a R$ 8”, explica Cruz.

Orientação – Além das 19 propriedades inclusas no convênio, os técnicos da Sedap visitaram outras duas, cujos produtores solicitaram orientações do órgão. “Como nós já estávamos com a visita agendada para Conceição do Araguaia, aproveitamos para atender as duas demandas. Todas as vezes que os produtores vêm atrás de informações nós damos as mais atualizadas possíveis de como fazer, quais as técnicas corretas e como investir”, ressaltou o engenheiro de pesca.

Serviço:

O produtor/piscicultor interessado em receber orientações técnicas da Diretoria de Pesca da Sedap deve dar entrada junto ao protocolo geral da secretaria (ou direto nas regionais) a um pedido formal solicitando a visita dos técnicos. A sede da Sedap está localizada na travessa do Chaco, 2.232, entre travessas Humaitá e Curuzu, em Belém.