Ações do Governo aumentam número de ocupações profissionais no 4º trimestre de 2019

14/02/2020 14h08 - Atualizada em 14/02/2020 15h28
Por Igor Oliveira (SECOM)

O Estado do Pará registrou aumento no número de pessoas ocupadas profissionalmente no último trimestre (outubro a novembro) do ano de 2019. Ao se comparar com o terceiro semestre (julho a agosto), houve crescimento de 1,5% na ocupação com trabalho. Ainda no mesmo comparativo, o número de pessoas desocupadas no Estado caiu 18,6%. Os dados são do Estudo sobre Mercado de Trabalho no Pará, divulgado nesta sexta-feira (14) pelo escritório regional do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese no Pará). O estudo tem base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD/Contínua) - coordenada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - do terceiro e do quarto trimestre do ano de 2019.

Os dados são relativos ao último trimestre de 2019 (outubro a dezembro) e mostram que o aumento da ocupação em todo o Pará foi de 1,5%.

O quarto trimestre registrou 51 mil ocupações com trabalho a mais do que o observado no terceiro trimestre, totalizando 3 milhões e 521 mil  pessoas ocupadas. No mesmo comparativo, o número de pessoas em desocupação caiu de 437 mil para 356 mil, uma redução de 81 mil casos de ausência de ocupação profissional. 

De acordo com o supervisor técnico do Dieese-PA, Roberto Sena, é importante destacar nos números tanto o aumento da ocupação como a redução de pessoas desocupadas. “São dois dados que devem ser analisados juntos, porque é possível crescer a quantidade de pessoas com ocupação e o desemprego não variar tanto. Não foi o caso agora, pois o número de pessoas ocupadas cresceu ao mesmo tempo que a desocupação caiu muito nesse período”, explicou.

Qualificação e empreendedorismo - Segundo o titular da Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Inocencio Gasparim, "é responsabilidade do Estado buscar soluções, criar alternativas, e ajudar a população a encontrar esses postos de trabalho e a oportunidade de empreender".  Entre as ações da secretaria, existe a articulação com a rede Sine, uma das principais ferramentas no encaminhamento de trabalhadores a ofertas de trabalho. Até outubro de 2019, essa rede de intermediação já possibilitou a colocação de 5.589 trabalhadores no mercado formal em diversas ocupações. A meta é gerar cerca de 15 mil vagas no ano de 2020 e intensificar o incentivo a qualificação desses empregados. 

A educação e a inserção dos jovens no mercado de trabalho também tem sido uma prioridade de governo. A Seaster tem trabalhado através do programa “Primeiro Ofício”, que articula e une esforços de 24 instituições integradas ao Fórum Paraense de Aprendizagem Profissional (Fopap) e busca  oportunizar aos jovens aprendizes residentes no Estado a experiência profissional no mercado do trabalho e ao mesmo tempo, proporcionar o exercício da cidadania. Recentemente o termo de adesão ao programa foi apresentado às principais empresas do Pará e no mesmo dia parcerias entre a secretaria, o Banpará e a República de Emaús foram garantidas. 

O governo tem ainda fortalecido a rede de empreendedorismo, priorizando a inclusão socioeconômica através de ações do programa de governo Territórios Pela Paz (TerPaz), incentivando o cadastros de empreendedores individuais e coletivos e cadastro de artesãos, contribuindo com apoio técnico no processos de formação e formalização dos grupos envolvidos nesse segmento. Através do TerPaz, a Seaster atua orientando microempreendedores e facilitando o acesso a linhas de créditos, emitindo carteiras de artesão e aplicando formulários de pesquisa para implementação de cursos profissionalizantes.