Agricultores de Ponta de Pedras são contemplados com programa de crédito

13/02/2020 15h11 - Atualizada em 13/02/2020 19h07
Por Rodrigo Reis (EMATER)

Agricultores rurais de seis comunidades do município de Ponta de Pedras, na Ilha do Marajó, assinaram, com o Banco da Amazônia, nesta semana, projetos de créditos que serão financiados por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) – modalidade Floresta, cujo investimento será no extrativismo de açaí de várzea, carro-chefe do município. A ação foi coordenada pelo escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater).

Todos os nove agricultores contemplados receberão o valor total de R$ 19.380, que será pago em três parcelas. A primeira parte deve ser liberada pela instituição bancária até amanhã, 14. Os valores são para investimentos em limpeza, roçagem, corte de plantas improdutivas e também para aumentar área de plantio.

“Com o Pronaf Floresta, os agricultores terão possibilidade de investir na produção e aumentar suas rendas, o retorno é muito bom”. E completa: “É necessário que o agricultor tenha a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) para solicitar acesso ao crédito”, explica Martinho Morinaka, chefe local e técnico em agropecuária de Ponta de Pedras.

Pronaf Floresta – O Pronaf Florestal oferece crédito para investir em sistemas agroflorestais, exploração extrativista ecologicamente sustentável e plano de manejo florestal.

Os contemplados pertencem às comunidades do Rio Paricatuba, Laranjeira, Curral Panema, Urinduba e Guajará, e são vinculados a Associação de Pescadores Artesanais e Trabalhadores Rurais do Tartarugueiro (APAT) e Sindicato dos Pescadores de Ponta de Pedras (Sindipesca), que também participaram da ação de assinatura dos contratos.

Anater – Ainda no município, a Emater local desenvolve, em parceria com a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), projeto piloto para prestação de serviços diferenciados de assistência técnica para 25 famílias cadastradas. Com vigência até 2021, o piloto trabalha com o resgate de trabalho coletivo no município.

A proposta é inserir os agricultores dentro de programas de políticas públicas, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que oferece alimentação escolar e ações de educação alimentar e nutricional a estudantes de todas as etapas da educação básica pública.

Os agricultores trabalham, em sua maioria, com a produção de hortaliças, piscicultura, criação de galinha e fruticultura, com destaque para muruci, caju, manga, mangaba.

Parceria – Os beneficiários do Pronaf podem abrir conta poupança no Banco do Estado do Pará (Banpará) através da Declaração de Aptidão ao Pronaf (Dap) emitida no pela Emater local, graças a uma parceria entre as duas instituições. “Isso facilita a transferência do recurso evitando que o produtor tenha que ir até capital, Belém”, finaliza Morinaka.