Estado inicia padronização no Centro de Recuperação de Paragominas

Procedimento é necessário para limpeza geral da unidade e organização dos custodiados

24/01/2020 08h55 - Atualizada em 24/01/2020 09h30
Por Vanessa Van Rooijen (SEAP)

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) iniciou a implantação do regime de intervenção no Centro de Recuperação Regional de Paragominas (CRRP), no sudeste do Pará, na tarde de quinta-feira (23). A ação, que tem prazo de 30 dias, é realizada pelo Comando de Operações Penitenciárias (Cope) e Diretoria de Administração Penitenciária (DAP). O regime de intervenção no CRRP está previsto no planejamento de 2020.

Nesta sexta-feira (24), serão iniciadas o reforço na higienização da unidade prisional e a padronização dos 407 custodiados. No primeiro dia da intervenção, na quinta (23), os internos passaram por triagem, de acordo com o regime da pena, para que recebam a assistência mais adequada a cada caso. A primeira etapa inclui ainda a retirada das celas de todos os objetos ilícitos durante revista geral. Posteriormente, será realizada a limpeza geral no Centro de Recuperação, além da entrega de kits com uniforme, sandália, escova e creme dental, barbeador, copo e colher, sabonete e sabão para limpeza dos itens pessoais. Também haverá corte de cabelo e barba.

Disciplina - A ação está sendo realizada para aplicação e regulamentação de procedimentos, informou o comandante do Cope, tenente-coronel Vicente Neto. “É uma casa penal que não estava rebelada ou com princípio de motim. Agora, vamos colocar a unidade em acordo com os procedimentos e disciplinas.
A medida também vai contribuir de maneira positiva para a redução da criminalidade no município”.

As visitas estão suspensas durante os 30 dias em que a unidade permanecerá em regime de intervenção, conforme Portaria 126/2020, já publicada. Segundo o diretor de Administração Penitenciária da Seap, Ringo Alex, a suspensão de visitas é necessária.

“Vamos trabalhar em prol do benefício coletivo, inclusive para a melhoria da entrada desses visitantes na unidade. Pedimos para confiarem no Estado, que vem com o objetivo de humanização. Fica suspensa apenas a visita, mas está liberada a entrada dos advogados e das assistências jurídica, médica e religiosa”, disse o diretor.

A íntegra da portaria está disponível neste link.