Brigadistas fazem treinamento de segurança no 'Mangueirão'

A atividade, que prepara a equipe para várias situações de risco, teve a supervisão do Corpo de Bombeiros Militar e da Seel

23/01/2020 15h52 - Atualizada em 23/01/2020 17h07
Por Paula Portilho (SEEL)

Simulação de atendimento a vítima em estádio de futebolQuarenta e três brigadistas, entre bombeiros civis e socorristas que atuam pelos clubes do Remo e Paysandu, participaram nesta quinta-feira (23) do treino simulado em sistemas de segurança e emergências, realizado no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém. O evento foi supervisionado por uma equipe do Corpo de Bombeiros Militar (CBM-PA) e da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel), responsável pela gestão do estádio.

Para Sibelly Rocha, da coordenação do grupo Guardião da Vida, foi mais um oportunidade de agregar conhecimento.

“Nosso grupo trabalha há 10 anos em jogos do clube, em partidas de futebol americano e competições de artes marciais e ações sociais. Esse treinamento é para aperfeiçoar nossas técnicas”, ressaltou a socorrista.

O treinamento para atuação em sinistros mobilizou mais de 40 brigadistasO treinamento atende ao Decreto Estadual 2.230, de 5 de novembro de 2018, que dispõe sobre o Regulamento de Segurança contra Incêndio e Emergências. No artigo 50 está prevista a obrigatoriedade de simulado para certificação de licenciamento pelo Corpo de Bombeiros Militar.

De acordo com o capitão BM Moura, o simulado faz parte do regulamento como forma de garantir o desenvolvimento eficaz do trabalho dos brigadistas diante de sinistros. “Esse treinamento foi feito com a criação de cenários, visando aprimorar as técnicas, de maneira a tornar mais eficiente a atuação destes profissionais e possibilitar maiores chances de resgate e salvamento de uma pessoa”, informou o oficial.Tumulto na arquibancada foi um dos cenários adotados no treinamento

Êxito - Na simulação foram adotados três cenários: principio de incêndio no corredor do lado B do estádio, desmoronamento da arquibancada e tumulto entre torcidas. Foram averiguados, entre outros fatores, o tempo de atendimento às vítimas e os primeiros procedimentos.

“Esse simulado visou avaliar o trabalho de socorro e o emprego do bombeiro civil nestes cenários que envolvem riscos para o torcedor. Atende a uma legislação, mas é sobretudo para preparar os profissionais para estas situações. O evento foi de grande proveito, inclusive com testes de vários equipamentos, como mangueiras, e conseguimos atingir os objetivos e ver que o estádio continua em condições plenas para receber um grande público nesta temporada 2020. Por tudo isso, o simulado obteve êxito”, afirmou o coronel Cláudio Santos, gerente de Segurança do Estádio Olímpico do Pará.