Terminal Hidroviário de Belém alerta sobre objetos esquecidos no local

Administração informa que 90% dos objetos são deixados para trás. Até dentadura já foi encontrada

21/01/2020 14h28 - Atualizada em 21/01/2020 14h50
Por Bruno Magno (CPH)

Malas, documentos, cartões, redes, aliança e até dentadura. Esses são apenas alguns dos objetos encontrados nos achados e perdidos do Terminal Hidroviário de Belém (THB), que funciona no setor de guarda-volumes do local, administrado pela Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH). Os itens, que podem ser resgatados a qualquer momento, ficam até 90 dias no espaço à espera dos donos, depois são levados para outra sala.

O administrador de Portos da CPH, Caio Ribeiro, explica que mesmo o THB não sendo responsável pelos pertences esquecidos pelos passageiros, todos os itens encontrados são levados para o guarda-volumes. Tudo que chega na sala é etiquetado com a data na qual o objeto foi encontrado.

A média de objetos esquecidos varia de acordo com períodos específicos. Nas férias escolares de julho e nas festas de fim de ano, por exemplo, o volume de objetos costuma ser maior devido ao grande fluxo de usuários. São cerca de 20 objetos encontrados nestes períodos, já nos demais meses do ano este número cai para oito por mês.

O servidor da CPH conta que não só miudezas, mas grandes malas também são deixadas para trás. A equipe do THB tenta contatar o dono quando estão etiquetadas, porém, em 90% do casos, os objetos não possuem identificação.

"Desde a inauguração do Terminal temos objetos que nunca foram resgatados, mas estão guardados caso os donos resolvam aparecer. Já encontramos de aliança até dentadura, nestes casos os donos vieram buscar, mas no geral a maioria das pessoas não volta para reaver o seu pertence", finaliza o administrador.

Serviço: O achados e perdidos do THB funciona no setor de guarda-volumes, todos os dias da semana, das 6h às 18h. Se você perdeu algum objeto por lá, basta levar documento de identidade para comprovar a posse do mesmo.