Semas apreende mais de 1 milhão de cabos de vassoura sem documentação

A carga irregular foi encontrada em um depósito localizado no bairro do Tenoné, em Belém

16/01/2020 14h52 - Atualizada em 16/01/2020 19h45
Por Ronan Frias (COHAB)

Cerca de 1 milhão 153 mil de cabos de vassoura apreendidos durante a operação. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) da Polícia Militar e a Divisão do Meio Ambiente (Dema), da Polícia Civil, contabilizaram nesta quinta-feira (16) mais de 1,1 milhão de cabos de vassoura apreendidos durante operação iniciada na noite de quarta-feira (15). A carga foi encontrada em um depósito localizado no bairro do Tenoné, em Belém. O estabelecimento foi lacrado.

“O representante da empresa não apresentou a documentação que comprove a origem do produto durante a fiscalização, o que configura infração administrativa, que posteriormente pode resultar em multa, cujo valor ainda deve ser estipulado”, informou Ivan Jr., agente de fiscalização ambiental.

A fiscalização chegou ao depósito no momento em que uma balsa descarregava os cabos de vassoura. A tripulação informou que a madeira foi embarcada no Marajó

O titular da Dema, delegado Alberone Lobato, explicou que por terem infringido o artigo 46 da Lei 9.605 – que trata sobre o transporte de produto florestal sem a documentação que comprove a origem da madeira. “O comandante da balsa e o proprietário do depósito serão conduzidos à delegacia para prestar esclarecimentos, e um inquérito será aberto. Nós vamos investigar para saber de que área esta madeira foi retirada, quem retirou e quem transformou em cabos”, acrescentou o delegado.

Além dos cabos de madeira da espécie virola, durante a apreensão foi encontrada uma pequena quantidade de madeira sem comprovação de origem, que já havia sido transformada em portas, jogos de portais e janelas. No mesmo local, em 2017, houve a apreensão de 1,3 milhão de cabos por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio e Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), mas a carga que deveria estar retida no terreno teria sido vendida, de acordo com os fiscais.

Além dos cabos de madeira virola, foi encontrada uma pequena quantidade de madeira sem comprovação de origem

Em 2019, a Semas iniciou o processo de regularização da cadeia produtiva de cabos de vassoura no Marajó. Na época, 23 associados assinaram o Termo de Ajuste de Conduta para atuarem dentro da legalidade. O proprietário do estabelecimento lacrado em Belém não assinou o TAC.