Cosanpa retoma obras paradas e avança em novos projetos

27/12/2019 10h47 - Atualizada em 27/12/2019 12h24
Por Bianca Buenaño (COSANPA)

A Companhia de Saneamento do Pará atende atualmente mais de 2 milhões de pessoas no Pará ofertando serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Atualmente, opera em 53 municípios e nove vilas.

Em 2019, os sistemas de abastecimento foram entregues à atual gestão completamente sucateados. Faltavam investimentos nas áreas de manutenção e melhorias nos sistemas de produção. Além disso,
algumas obras de ampliação do serviço de abastecimento de água e esgotamento sanitário estavam paradas, e a população seguia bastante prejudicada.

Até 2018, pelo menos 13 projetos de obras com recursos do orçamento geral da união estavam paralisados há mais de 12 meses, em seis municípios do Pará. Hoje, com a mudanças de cenário, 12
projetos já foram retomados, o 13º passa por processo administrativo e também deve ser retomado em breve.

Obras

A primeira obra a ser retomada foi no município de Breves, na Ilha do Marajó, projeto existente desde 2010. Em julho desse ano, o governador do Estado, Helder Barbalho, assinou a ordem de serviço
para a retomada das obras do novo sistema de abastecimento de água da cidade, que irá contemplar uma área da cidade que não recebe abastecimento do sistema já existente.

Estão programadas a construção da estrutura de captação de água, implantação de adutoras, estação de tratamento, reservatórios, casa de bombas, rede de distribuição, ligações domiciliares e sistemas de
operação. O valor do investimento é de cerca de R$ 20 milhões e o prazo para conclusão é de dois anos.
Em Santarém, Região do Baixo Amazonas, a situação era a mesma, durante três anos a obra de ampliação do abastecimento de água ficou parada. Em setembro deste ano, a obra foi retomada e está em
ritmo acelerado, com mais de mais 40% já executados.

Com a obra concluída, a Cosanpa irá abastecer 100% da população de Santarém, hoje, cerca 80% dos moradores do município são atendidos pela Companhia. O valor total do investimento é de mais
de R$113 milhões.

Novos Investimentos

Desde o mês de outubro, máquinas estão nas ruas para realizar o Projeto de Controle e Redução de Perdas para melhorias no abastecimento de água em mais de 20 bairros de Belém. Após a elaboração e aprovação do projeto, as ações iniciaram com a atualização do cadastro de moradores e a utilização do equipamento conhecido como GPR, um georadar que faz o mapeamento das redes existentes nos subsolos, no segundo semestre do ano.

Com o mapeamento realizado em alguns pontos da cidade, a instalação das novas redes foi iniciada pelo bairro do Marco. “É importante ressaltar que utilizamos método mais inovador: o Método Não Destrutivo (MDN). Ou seja, estamos usando máquinas perfuratrizes, sem a necessidade de escavar a rua inteira. As redes mais antigas, que são de cimento amianto e tem uma condição mais frágil mais propícia a vazamentos, estão sendo substituídas por redes de material mais resistente: o PEAD. Ele tem alta durabilidade e alta resistência. Vamos substituir todas as redes mais antigas, desde o aeroporto até o bairro Cidade Velha. Vamos começar pelas adutoras e depois ligar as redes menores”, explicou a engenheira coordenadora do projeto, Tatiana Costa.

Mudança das redes subterrâneas da capital

Nessa fase do trabalho não é necessário fazer a interrupção do abastecimento, já que as redes antigas ainda estão sendo utilizadas até a finalização da etapa de instalação. Além da substituição das redes antigas, o projeto engloba ainda a atualização cadastral, instalação de hidrômetros e setorização das redes. Com a setorização, quando a Cosanpa precisar agir em um vazamento, por exemplo, não será necessário interromper o abastecimento de água em diversos bairros. Será possível isolar apenas a área abastecida por aquela rede danificada específica e fazer o reparo.

“Vale lembrar que todos esses processos continuam em andamento em paralelo à substituição das redes, como a atualização cadastral. Um trabalho de porta em porta para conhecer o nosso cliente e saber
quantas pessoas moram em determinada residência para poder dimensionar a melhor rede para aquela área, para que a água chegue com a quantidade adequada”, complementou Costa.

Até agora, foram instalados sete quilômetros rede com as frentes de trabalho no bairro do Marco, nas Avenidas Rômulo Maiorana, Avenida Almirante Barroso e travessas Curuzu e Chaco. O Projeto de Redução e Controle de Perdas irá substituir cerca de 150 quilômetros de rede e instalar 150 mil hidrômetros. O investimento de R$ 250 milhões vai beneficiar mais de 800 mil habitantes nos
bairros: Barreiro, Batista Campos, Campina, Canudos, Castanheira, Cidade Velha, Comércio, Condor, Cremação, Fátima, Jurunas, Mangueirão, Maracangalha, Marambaia, Marco, Miramar, Nazaré, Pedreira, Reduto, Sacramenta, São Brás, Telégrafo, Terra Firme, Umarizal, Universitário e Val-de-Cans.   

“Estamos retomando as obras que estavam paradas há mais de um ano. O nosso foco também é trabalhar em nossos novos projetos. Estou muito animado, com o apoio do governador, da população e dos funcionários, para recuperar a Companhia. Em 6 meses, pretendemos com o plano de recuperação, alcançar melhores índices financeiros e prestar serviço de qualidade aos paraenses”, conclui José Antonio De Angelis, presidente da Cosanpa.

Atualmente, 18 obras de ampliação e melhoria do sistema de água e esgotamento sanitário estão em andamento na capital e em outros municípios do Pará, que totalizam investimentos na faixa de R$ 1
bilhão em investimentos.