Seaster entrega certificados de qualificação profissional a 150 jovens

Ao oferecer acesso ao mercado de trabalho, projetos ajudam a reescrever a história de pessoas em situação de vulnerabilidade social

24/12/2019 10h25 - Atualizada em 24/12/2019 12h59
Por Rodrigo Souza (SEASTER)

O secretário Inocencio Gasparim e um dos jovens que receberam certificados“Essa oportunidade me trouxe novos sonhos e perspectivas, além de mais capacitação e segurança para estar no mercado de trabalho”, afirmou Everton Smith, 20 anos, morador do bairro do Telégrafo, em Belém. Ele é um dos 150 jovens certificados pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) na segunda-feira (23), no auditório da Fundação Getúlio Vargas/Ideal. A iniciativa faz parte do Projeto Estadual de Qualificação Social e Profissional do Estado do Pará (PQSP) e do Projeto Escrevendo e Reescrevendo Nossa História (PERNOH), que em parceria com o Ministério Público do Trabalho está certificando jovens da Região Metropolitana de Belém.

Everton Smith concluiu o curso de Vendedor de Comércio Varejista e, durante as aulas, foi contratado por uma grande rede de Laboratório da região Norte. Há pouco menos de um mês no novo emprego, ele garante que o curso foi fundamental para essa conquista. “Esse curso foi muito importante para a minha carreira profissional. Eu adquiri muitos conhecimentos que estou utilizando na vida profissional. O curso me qualificou e me instruiu para que conseguisse essa vaga”, reiterou.

Familiares e amigos dos concluintes participaram da solenidade de certificaçãoAlém do curso de Vendedor de Comércio Varejista, o projeto oferece os cursos de Assistente Administrativo, Auxiliar Administrativo, Culinária Básica, Gestão de Pequenos Negócios, Panificação e Confeitaria, Pintor de Obras e Produtor de Eventos.

Protagonismo  - O projeto tem o objetivo de inserir e reinserir pessoas em situação de vulnerabilidade social, oferecendo cursos profissionalizantes e oportunidades para o ingresso no mercado de trabalho. “Nós somos os incentivadores, mas os protagonistas desse projeto são os jovens que estão aqui buscando conhecimento para melhorar sua qualidade de vida. Esse é um momento de felicidade. Estamos aqui para incentivar, para que esses jovens conquistem seus espaços”, enfatizou o secretário adjunto de Trabalho, Emprego e Renda, Miriquinho Batista.

Inocencio Gasparim ressaltou a parceria entre a Seaster e o Ministério Público do TrabalhoA parceria entre a Seaster e o Ministério Público do Trabalho formou 730 jovens em 2019. O titular da Seaster, Inocencio Gasparim, explicou que a expectativa para 2020 é aumentar em até cinco vezes o número de jovens certificados. “Nós, enquanto Estado, estamos com o sentimento de dever cumprido, que é estar presente na vida dos que mais precisam. Com essa parceria com o Ministério Público do Trabalho sentimos orgulho de presenciar tantos jovens se qualificando, e com isso ficando cada vez mais perto do emprego fixo, da renda e da carteira assinada, que é tão necessária para a vida das pessoas. A nossa meta é aumentar a quantidade de jovens qualificados para o mercado de trabalho. Em 2020, conversaremos com as 80 maiores empresas do Estado para garantir vagas de emprego para a juventude paraense em situação de vulnerabilidade”, adiantou.

Promoção de justiça - Para o procurador do Ministério Público do Trabalho, Sandoval Silva, o Estado é um grande agente de promoção de justiça. “Nós podemos promover justiça, todos nós somos promotores de justiça. As empresas também podem ser agentes de mudança e de justiça social, assim como as organizações não governamentais e os beneficiários, que não somente fazem justiça, mas sentem e vivem a justiça”, ressaltou.O secretário Inocencio Gasparim e outras autoridades na cerimônia

Também participaram da cerimônia de entrega de certificados Larissa Moraes, vice-presidente da Associação Brasileira de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Abradesa); Luiz Negrão, coordenador Administrativo e Financeiro do Centro de Estudos e Memórias da Juventude Amazônica (CemjaJ), e Max Costa, coordenador Político e Pedagógico do Instituto Universidade Popular (Unipop).