Programação certifica socioeducandos em cursos profissionalizantes

A programação teve como objetivo reconhecer e premiar o esforço e dedicação de adolescentes e jovens que cumprem medidas socioeducativas.

23/12/2019 16h02 - Atualizada em 23/12/2019 17h00
Por Alberto Passos (FASEPA)

Um ato simbólico marcou o encerramento das ações da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa) nesta segunda-feira (23), no Apoena, localizado em Ananindeua, na Grande Belém, com a certificação de cursos profissionalizante promovido pela Secretaria de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Ministério Público do Trabalho (MPT) em parceria a Fasepa.

A programação teve como objetivo reconhecer e premiar o esforço e dedicação de adolescentes e jovens que cumprem medidas socioeducativas no estado, além de garantir cursos e oficinas profissionalizantes, inserção ao mundo do trabalho e geração de emprego e renda com ênfase nesse público específico.

Miguel Fortunato presidente da Fasepa

O presidente da Fasepa, Miguel Fortunato, agradeceu o apoio e a parceria de todos. Ele destacou que, “apesar dos desafios, é fundamental que as instituições acreditem na socioeducação, pois é dessa forma que teremos justiça social, as oportunidades e o acolhimento dessas pessoas que precisam dessa atenção”, comentou o titular da Fasepa, para em seguida dizer que “com essa ação, a gente consegue ter uma dimensão do propósito e a missão da socioeducação. A gente tem que definir isso como um caminho para que essa ação se tornasse uma realidade”, concluiu Fortunato.

Pará - Com iniciativas plurais, inclusivas e participativas, o Governo do Estado, acredita que somente com o envolvimento e o engajamento dos atores que integram a rede intersetorial será possível obter resultados cada vez mais sólidos e expressivos. Para tanto, educação, saúde, assistência, segurança pública, poder judiciário, esporte, cultura e lazer precisam andar juntas.

“Eu gostaria de agradecer a confiança, o incentivo e a forma com que as pessoas acreditam que a gente pode dar certo e algum resultado, que nem a gente mesmo acredita”, revelou um jovem de 16 anos, concluinte do curso de mecânica de moto. “Mas isso serve para que nós possamos seguir em frente, continuar aprendendo cada vez mais e melhorar a condição de vida da nossa família”, concluiu o rapaz que agora projeta novos horizontes.

O curso iniciou no dia (11.11), entre eles, produção de mudas e sementes, informática e mecânica de motos, cabeleireiro, informática básica e avançada, panificação e confeitaria, entre outros. Dessa forma, 70 jovens estão devidamente capacitados e qualificados para assumirem novos postos de trabalho ao saírem da medida socioeducativa, haja vista que muitos deles têm filhos, possuem nível de escolaridade baixo e são oriundos de famílias carentes que precisam da participação deles para na renda familiar.

Secretário da Seaster, Miriquinho Batista

O secretário da Seaster, Miriquinho Batista, agradeceu a sensibilidade e a prontidão do Governo do Estado na promoção das ações, e declarou que “esse é um momento no qual nós estamos concluindo uma parte tudo daquilo que temos como tarefa que é de viabilizar, dar condições de entregar essa certificação aos jovens presentes aqui. Cada vez que nós oferecemos oportunidades como essa, são momentos irão aparecer resultados positivos e que atendam os anseios da sociedade”, garantiu o secretario.

Apresentação de dança, musical, decoração com temas natalinos compunham a decoração do espaço Apoena, que contou com a participação de adolescentes e seus familiares, parceiros, servidores das unidades socioeducativas da Região Metropolitana de Belém.

Alex Keuffer, presidente do Instituto Vitória Régia

Tendo como facilitador do processo metodológico de ensino o Instituto Vitória Régia, o presidente Alex Keuffer, ressaltou que “apesar de alguns entraves inerentes ao processo, a vontade de acertar, o amor ao próximo, o desejo em superar as dificuldades e seguir a diante faz toda a diferença para que as coisas deem certo. Nós somos cumplices e parceiros de um trabalho importante que foi desenvolvido aqui”, ponderou Alex.

O Art. 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) diz que é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.