Governo fortalece economia e contribui para saldo positivo na geração de empregos em 2019

Com incentivo a novos empreendimentos e qualificação de mão de obra, Estado cria ambiente favorável à criação de vagas no mercado de trabalho

20/12/2019 19h16 - Atualizada em 21/12/2019 10h52
Por Igor Oliveira (SECOM)

O conjunto de ações voltadas ao fortalecimento da economia, realizadas pelo Governo do Pará logo no primeiro ano da nova gestão, estimulou um ambiente favorável à geração de emprego no Estado, resultando na criação de quase 19 mil postos de trabalho no ano, segundo estudo elaborado e divulgado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos do Pará (Dieese/PA), com base em informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

O incentivo do Estado a novos empreendimentos contribui para ampliar a oferta de postos de trabalhoNo período de janeiro a novembro de 2019 foram criados 18.921 postos de trabalho. Em relação ao mesmo período do ano passado, os números representam um saldo positivo de quase 7.600 vagas preenchidas. Considerando o ano de 2019, o crescimento mais expressivo foi registrado em novembro - com 23.653 admissões contra 20.530 desligamentos -, um saldo positivo de 3.123 postos de trabalho no setor formal.

O estudo mostra um crescimento no emprego formal de 0,42%. Um resultado acima do desempenho geral registrado na região Norte (+ 0,25%). Na análise dos estados, o Pará se destaca na geração de empregos. “No primeiro semestre do ano observamos que o cenário econômico ainda apresentava dificuldades para melhorar. Mesmo considerando o surgimento de alguns indicadores positivos, havia um receio sobre como a economia poderia se desenvolver nos próximos meses. Mas, felizmente, os números são bons”, afirma Roberto Sena, supervisor técnico do Dieese/PA.

Segundo ele, o investimento em setores econômicos e a articulação de medidas para facilitar a movimentação financeira no mercado são fatores que contribuíram para a melhoria da oferta de empregos no Pará. “Além disso, a qualificação da mão de obra local também é importante, pois são pessoas da região que trabalham nos empregos criados e, assim, participam mais ativamente da nossa economia”, complementa.

Incentivo - Para fomentar a economia, e consequentemente a geração de empregos no Estado, o governo promove um conjunto de medidas, entre as quais o cadastro e o mapeamento de vagas, realizados pela Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), por meio do Sistema Nacional de Emprego (Sine). É uma rede pública de atendimento que oferece orientações para candidatos a postos de trabalho, e também a empregadores que almejam o preenchimento das vagas. Entre janeiro e outubro de 2019, a Rede Sine já possibilitou a colocação de 5.589 trabalhadores no mercado formal, em diversas funções. 

Outra medida executada pela Secretaria visando à geração de renda é o apoio a empreendedores locais, como artesãos e pequenos produtores. O apoio é concretizado com a divulgação e o incentivo da atividade econômica em diversos eventos, como a VII Feira Estadual do Artesanato, realizada em parceira com a Feira do Artesanato Mundial. A Feira Estadual comercializou este ano cerca de R$ 240 mil, enquanto a edição mundial movimentou R$ 2,2 milhões, valores que ajudaram a impulsionar a economia local.

Dentre as atividades realizadas nos municípios paraenses, a Seaster ofereceu assessoramento, no âmbito do empreendedorismo, para 19 gestores nos municípios de Barcarena, Muaná, Marapanim, Curuçá, Tailândia, Primavera, Bragança, Parauapebas, Portel, Santarém, Belterra, Brasil Novo, Altamira e Moju.

Na área de capacitação, o Programa Territórios pela Paz (TerPaz) - coordenado pela Secretaria de Articulação de Cidadania (Seac) – também incentivou o empreendedorismo, atendendo 3.547 pessoas durante o ano, e estabeleceu parcerias com empresas nacionais para captação de recursos técnicos e financeiros.

Metas para 2020 – Agindo em vários segmentos, o Governo do Pará promoveu as condições para instalação de empresas e atividades que fomentam a geração de trabalho e renda, como a construção de um terminal de gás natural e uma central termoelétrica em Barcarena - duas obras que devem gerar cerca de 7.500 empregos diretos e indiretos -, e a construção de uma indústria cervejeira, com a expectativa de ofertar até 4,6 mil vagas de trabalho no processo de instalação.

O investimento na logística do Estado, que inclui a construção da ferrovia entre os municípios de Barcarena e Marabá, e o projeto de reforma e ampliação do complexo hidroviário de Belém – terão impacto direto no desenvolvimento do setor industrial e econômico regional.

Em 2020, as iniciativas para qualificação de mão de obra local continuarão com o Programa Primeiro Ofício, da Seaster, o qual visa gerar cerca de 2.000 vagas no mercado formal de trabalho para jovens aprendizes, de 14 a 24 anos, em situação de vulnerabilidade social.

Paralelamente, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), por meio do Programa Startup Pará, vai incentivar empreendimentos inovadores, a fim de criar um centro de referência para atração e formação de negócios.