Pará registra neste ano queda de 35% no número de casos de malária

Em 2019, foram 25.946 casos, de janeiro a outubro, contra 40.178 no mesmo período de 2018

11/11/2019 18h59 - Atualizada em 12/11/2019 08h59
Por Roberta Vilanova (SESPA)

Meta do Estado é reduzir em 75% os casos da doença até 2023A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) registrou, de janeiro a outubro de 2019, uma redução de 35% nos casos de malária, se comparado ao mesmo período de 2018. São 25.946 casos em 2019 contra 40.178 em 2018. O resultado positivo se deve às ações desenvolvidas pela Coordenação Estadual de Controle da Malária juntamente com as Secretarias Municipais de Saúde, tendo como meta a redução de 75% dos casos da doença até 2023, conforme pactuado na última reunião de Avaliação do Programa de Controle da Malária no Estado do Pará, realizada em agosto, em Belém. 

Segundo o diretor do Departamento de Controle de Endemias, Jorge Andrade, para que esse resultado seja alcançado é fundamental garantir tratamento oportuno em 70% dos casos de malária até 48 horas a partir do início dos sintomas para os casos autóctones, e em até 96 horas para os casos importados, conforme estabelece a Portaria 1.520, do Ministério da Saúde, de maio de 2018.

Jorge Andrade, diretor do Departamento de Controle de EndemiasOs dez municípios com mais casos de malária em 2019 são Anajás (4.666), Oeiras do Pará (4.399), Bagre (3.030), Cametá (2.954), Itaituba (2.459), Breves (1.407), Jacareacanga (1.307), Alenquer (1.141), Portel (631) e Afuá (604). “O município de Oeiras do Pará, por exemplo, conseguiu reduzir de 10.044 casos de malária em 2018 para 4.399; Cametá de 6.852 em 2018 para 2.954 casos, e Bagre, de 5.023 para 3.030. Esses são exemplos de que é possível controlar a doença com ações conjuntas”, disse Jorge Andrade.

Apoio aos municípios - Para que a redução de casos avance nos próximos anos, e a meta proposta seja atingida, Jorge Andrade informou que a Sespa manterá o apoio aos municípios, contribuindo com a estruturação dos serviços locais de saúde, doando microscópios, instalando unidades de diagnóstico e promovendo reparo e doação de  embarcações, além de diagnóstico e tratamento oportuno e imediato, com testes rápidos de malária; fortalecimento da vigilância com ações de força-tarefa, supervisões assessoradas e controle de qualidade; capacitação de recursos humanos; ações de educação em saúde; controle seletivo de vetores e trabalhos de pesquisa em parceria com o Laboratório Central do Estado (Lacen-PA).

Sobre capacitações, a Sespa realizou, em 2019, em diversos municípios e Centros Regionais de Saúde, treinamentos no Sistema Sivep-Malária, em Supervisão do Programa Estadual de Controle da Malária, em Supervisão e Monitoramento Sies e Ações de UBV e capacitação em Tecnologia de Aplicação de Inseticidas e Treinamento e Certificação para Microscopistas (malária e doença de Chagas).