Cosanpa inicia substituição de redes antigas por redes novas em Belém

Objetivo é modernizar as redes e, com isso, melhorar o serviço de abastecimento na capital paraense

31/10/2019 13h39 - Atualizada em 31/10/2019 15h24
Por Tayná Horiguchi (COSANPA)

Para melhorar a eficiência no abastecimento de água em Belém, a Cosanpa segue em andamento com o Projeto de Controle e Redução de Perdas em mais de 20 bairros de Belém. Após a elaboração e aprovação do projeto, as ações iniciaram com a atualização do cadastro de moradores e a utilização do equipamento conhecido como GPR, um georadar que faz o mapeamento das redes existentes nos subsolo. Veja mais imagens dos trabalhos.

Tatiana Costa, engenheira coordenadora do projetoCom o mapeamento realizado em alguns pontos da cidade, a instalação das novas redes foi iniciada pelo bairro do Marco. “Importante ressaltar que estamos utilizando método mais inovador: o Método Não Destrutivo (MDN). Ou seja, estamos usando máquinas perfuratrizes, sem a necessidade de escavar a rua inteira. As redes mais antigas, que são de cimento amianto e tem uma condição mais frágil mais propícia a vazamentos, estão sendo substituídas por redes de material mais resistente: o PEAD. Ele tem alta durabilidade e alta resistência. Vamos substituir todas as redes mais antigas, desde o aeroporto até o bairro Cidade Velha. Vamos começar pelas adutoras e depois ligar as redes menores”, explicou a engenheira coordenadora do projeto, Tatiana Costa.

Apesar das máquinas estarem trabalhando, neste momento, ainda não haverá interrupção no abastecimento, já que as redes antigas ainda estão sendo utilizadas até a finalização da etapa de instalação. Além da substituição das redes antigas, o projeto engloba ainda a atualização cadastral, instalação de hidrômetros e setorização das redes. Com a setorização, quando a Cosanpa precisar agir em um vazamento, por exemplo, não será necessário interromper o abastecimento de água em diversos bairros. Será possível isolar apenas a área abastecida por aquela rede danificada específica e fazer o reparo.

“Vale lembrar que todos esses processos continuam em andamento em paralelo à substituição das redes, como a atualização cadastral. Um trabalho de porta em porta para conhecer o nosso cliente e saber quantas pessoas moram em determinada residência para poder dimensionar a melhor rede para aquela área, para que a água chegue com a quantidade adequada”, complementou Costa.

Neste momento, as frentes de trabalho para a substituição das redes estão no bairro do Marco, nas Avenidas Rômulo Maiorana (antiga 25 de setembro), em trechos da Avenida Almirante Barroso e travessas Curuzu e Chaco. Já a atualização cadastral segue pelos bairros Marambaia e Terra-Firme.

O Projeto de Redução e Controle de Perdas irá substituir cerca de 150 quilômetros de rede e instalar 150 mil hidrômetros. O investimento de R$ 250 milhões vai beneficiar mais de 800 mil habitantes nos bairros: Barreiro, Batista Campos, Campina, Canudos, Castanheira, Cidade Velha, Comércio, Condor, Cremação, Fátima, Jurunas, Mangueirão, Maracangalha, Marambaia, Marco, Miramar, Nazaré, Pedreira, Reduto, Sacramenta, São Brás, Telégrafo, Terra Firme, Umarizal, Universitário e Val-de-Cans.