Curso profissionalizante possibilita que jovens ingressem no mundo do trabalho

Ações desenvolvidas pela Fasepa buscam propiciar debates, ressignificações e novos conhecimentos relacionados ao mundo do trabalho

30/10/2019 17h36 - Atualizada em 01/11/2019 10h28
Por Alberto Passos (FASEPA)

A educação profissional é um dos pilares que sustentam as ações da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa). Com base nisso, ao final do mês de outubro, oito adolescentes que cumprem medida socioeducativa em duas unidades de semiliberdade, localizadas na Grande Belém, foram certificados nas "Oficinas de Criatividades", atividade fruto de uma parceria da Fundação com o Centro de Integração Empresa Escola – CIEE.

Nessa perspectiva, a Fasepa busca estabelecer parcerias e estreitar relações com empresas da iniciativa privada e instituições públicas que promovam capacitação, cursos e oficinas profissionalizantes voltadas ao primeiro emprego. 

“Gostaria de agradecer primeiramente a Deus por estar tendo essa oportunidade e a minha mãe, que nunca me abandonou e está sempre ao meu lado em qualquer tempestade me apoiando nas horas difíceis”, declarou um dos jovens atendidos que cumpre medida socioeducativa no Centro de Adolescente em Semiliberdade (CAS). “Quero agradecer também aos técnicos da Fasepa que conseguem boas oportunidades de estudo e trabalho para tantos jovens que, como eu, buscam orientação, conhecimento e apoio mesmo enfrentando a sociedade que às vezes acha que não existe recomeço para um adolescente que cometeu um erro”, pontuou o rapaz.

Público – Tais ações são desenvolvidas pela Fasepa de forma colaborativa e sistemática em diversos níveis e âmbitos tendo como público prioritário adolescentes e jovens, especialmente aqueles em situação de vulnerabilidade social, atendidos pela rede socioassistencial. Além disso, entre os objetivos da programação estão propiciar debates, ressignificações e novos conhecimentos relacionados ao mundo do trabalho, sendo organizadas em paneis temáticos que tratam de assuntos do cotidiano ocupacional.

Entre os temas debatidos durante o curso estão identidade, conceito de trabalho, postura profissional, imagem pessoal, imagem profissional, habilidades interpessoais, planejamento entre outros. O curso teve duração de três meses e foi muito bem aceito pelos participantes e avaliado positivamente pelos organizadores.

O Art. 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) diz que é dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.