Sejudh realiza Conferência Municipal da Mulher em Nova Esperança do Piriá

10/10/2019 00h02 - Atualizada em 10/10/2019 12h30
Por Claudiane Santiago (SEJUDH)

Para fortalecer as políticas públicas voltadas à população feminina na região do nordeste paraense, a Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) realizou a I Conferência Municipal da Mulher, no município de Nova Esperança do Piriá.

Fruto da parceria entre a Coordenadoria de Integração de Políticas para Mulheres (CIPM) e a gestão municipal, a programação ofertou serviços gratuitos nas áreas da saúde e assistência, na terça-feira (8). Ainda no evento, foi empossado o Conselho Municipal da Mulher.

“A ação visou contribuir no debate para reforçar as políticas públicas às mulheres do município, que está em ritmo crescente, inclusive, já tem uma Secretaria Municipal da Mulher e, agora, também empossou os novos membros do Conselho”, afirmou a coordenadora da CIPM, Márcia Jorge.

A Conferência em Nova Esperança é mais uma ação que ainda vai percorrer outros municípios paraenses nos preparativos para a VI Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres do Pará, que ocorrerá em setembro de 2020, com a previsão de reunir as delegadas representantes da sociedade civil eleitas nas conferências municipais.

“Ficamos felizes em realizar a conferência municipal em parceria com a Sejudh porque é uma efetivação das ações na luta pela igualdade de direitos e oportunidades para as mulheres nos mais diversos meios da sociedade”, enfatizou a secretária Municipal dos Direitos da Mulher, Maria Bethânia Menezes.

Para o titular da Sejudh, Rogério Barra, a proposta da iniciativa é fazer com que a mulher tenha os direitos garantidos, sendo o primeiro deles a igualdade jurídica, tanto para as mulheres jovens, quanto para idosas e também mulheres com deficiência.

“O objetivo das conferências municipais é fortalecer os órgãos da rede de proteção, garantir estruturas institucionais e políticas públicas desenvolvidas às mulheres no âmbito municipal, estadual e federal e sistemas políticos com participação da população feminina”, destacou.