Após seis anos em construção, governo entrega Hospital Abelardo Santos à população

19/09/2019 18h00 - Atualizada em 19/09/2019 19h42
Por Roberta Vilanova (SESPA)

Com 28 mil metros quadrados de área construída, o 'Abelardo Santos' oferecerá, nesta primeira fase, 269 leitos, sendo 150 de internação e 119 complementaresO governador Helder Barbalho inaugurou, nesta quinta-feira (19), em Icoaraci, o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), o maior hospital público do Pará. Participaram da solenidade o secretário de Estado de Saúde (Sespa), Alberto Beltrame, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e a representante da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Socorro Gross, além de outras autoridades estaduais, como Cíntia Maradei, do Ministério Público do Pará. 

Na oportunidade, Helder Barbalho assinou o decreto que institui o cofinanciamento estadual para a Atenção Primária em Saúde, no valor de R$ 24 milhões, para aporte aos municípios com o objetivo de fortalecer as ações destinadas a melhorar a qualidade da atenção às gestantes, às puérperas e àquelas mulheres em risco reprodutivo, com vistas à redução da mortalidade materna em todo o Pará. O secretário de Saúde, Alberto Beltrame, assinou a portaria que regulamenta o decreto e contém os critérios para os municípios terem acesso aos recursos.

Também foi assinado o Pacto pela Redução da Mortalidade Materna no Pará pelo governo do Estado, Ministério da Saúde e Prefeituras Municipais, com a finalidade de colocar em prática medidas para a redução da mortalidade materna e, assim, tirar o Pará do ranking nacional, onde ocupa o primeiro lugar, com 102 óbitos por 100 mil nascidos vivos.

Foi assinada ainda a liberação de recursos e a habilitação de serviços pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e um termo de doação de equipamentos pela representante da Opas, Socorro Gross, para assistência às mulheres, uma nova tecnologia de tratamento da hemorragia obstétrica que vem sendo introduzida no Brasil pelo Ministério da Saúde, em cooperação com a Opas/OMS.

Também participaram da solenidade o secretário de Estado de Saúde, Alberto Beltrame, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e a representante da Organização Pan-Americana de Saúde, Socorro Gross, além de outras autoridades estaduais.

Estrutura – Com 28 mil metros quadrados de área construída, o Abelardo Santos oferecerá, nesta primeira fase, 269 leitos, sendo 150 de internação e 119 complementares, dentre os quais, 60 leitos em Unidades de Terapia Intensiva (20 pediátricos, 20 neonatais e 20 adultos) e 30 leitos em Unidade de Cuidados Intermediários (UCI Neonatal).

A partir das 8h desta sexta-feira, o Hospital já estará de portas abertas para o atendimento de urgência e emergência em obstetrícia, atendendo grávidas de baixo, médio e alto risco gestacional. Também começa a atender urgência e emergência em Pediatria, Clínica Cirúrgica e Clínica Médica, referenciadas por outros serviços de saúde (Prontos-Socorros e UPAs).

Janaína Farias fez questão de ir à inauguração e acredita que o hospital vai melhorar a assistência à população de Icoaraci e região das ilhasJanaína Farias, que teve o seu primeiro filho no chamado Abelardinho, e está grávida do segundo, fez questão de ir à inauguração porque tem a expectativa de que o hospital vai melhorar a assistência à população de Icoaraci e região das ilhas. “Agora, com a nova inauguração, eu espero que o atendimento seja melhor ainda”, disse.

Em seu pronunciamento, o governador agradeceu pela presença de todos e a Deus por viver este momento e poder participar de algo que contribuirá, no dia a dia, para cuidar da vida das pessoas. O chefe do Executivo estadual ressaltou que, nesses quase nove meses de mandato, tem buscado honrar seus compromissos junto com o vice-governador Lúcio Vale, “devolvendo a cada instante a confiança da população paraense”.

Ao agradecer ao ministro da Saúde pela liberação de recursos, Helder Barbalho já o convidou para estar de volta a Belém, no próximo ano, para a inauguração do primeiro Hospital Público Especializado em Saúde da Mulher, em Belém, e anunciou, também, que o governo do estado já está trabalhando na construção de um novo Pronto Socorro para a capital paraense, que será instalado às margens da avenida Augusto Montenegro e deve ser entregue até o fim do seu mandato.

O governador Helder Barbalho (d) aproveitou a oportunidade para convidar o ministro Luiz Henrique Mandetta (e) para a inauguração, em 2020, do primeiro Hospital Público Especializado em Saúde da Mulher, em Belém Em relação ao Pacto, o governador afirmou que não é possível aceitar e conviver com a herança maldita de o Pará ser o estado com maior número de mortalidade materna no Brasil. “Isto não é correto, não é justo. Temos que ter a coragem e a capacidade de enfrentar, mas também reconhecer que a efetividade desse Pacto só será possível se a Atenção Básica nos municípios for realizada, e se as ações de média e alta complexidade estiverem estruturadas no nosso estado”, disse Helder.

Fiscalização e recursos – Sobre o Abelardo Santos, Helder enfatizou que o Estado vai fiscalizar o trabalho da organização social responsável por sua administração e que está construindo uma nova relação com esse tipo de entidade, porque, quando recebeu o governo, havia OS que produzia 20% da capacidade do hospital e recebia 100% ao final do mês.

“Isso é dinheiro público sendo desviado e nós não aceitaremos essa prática de forma alguma”, afirmou. “Aqui mesmo neste hospital, sem que tivesse funcionado um dia sequer, foram pagos R$ 30 milhões para a OS passada e isso está sendo investigado pelo Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado. Portanto, conosco, trabalhou, recebeu, não trabalhou, vai ser colocado para fora em respeito à população do nosso estado”, reiterou.

O governador fez ainda uma menção especial às lideranças e usuários que lutaram pelo Hospital, que ficaram por seis anos esperando pela obra, e às populações de Icoaraci e Outeiro, que ficaram por seis anos sendo atendidas em lugar inadequado e impróprio, como foi o Abelardinho até o dia de hoje. Helder Barbalho agradeceu também aos profissionais que, nesse tempo, continuaram trabalhando para atender a essa população.

Por fim, o chefe do Executivo do Pará lembrou a importância da liberação de recursos por parte do Ministério da Saúde para o custeio de hospitais, informando que nos últimos oito anos foram fechados mais de 779 leitos hospitalares, enquanto a população cresceu e os problemas de saúde aumentaram; e anunciou a inauguração brevemente do Hospital Regional de Capanema, o Hospital Santa Rosa em Abaetetuba e o Hospital Regional de Itautuba.

“Saúde exige aproximação, humanização e pronto atendimento. Com essa estratégia temos certeza e convicção de que a cada passo e instante avançaremos com o intuito de garantir à população o direito de ter serviço de saúde de qualidade”, afirmou. “E quando o nosso governo diz que o hospital está entregue, o povo pode vir aqui para ser atendido e ter efetivamente atendimento com respeito porque é isso que o povo espera e deseja”, finalizou o governador Helder Barbalho.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, enfatizou a importância da prevenção e do fortalecimento da Atenção Básica para que as pessoas adoeçam menos, diminuindo a procura por atendimento de média e alta complexidade

Gestão adequada – O secretário de Estado de Saúde, Alberto Beltrame, explicou por que só agora o HRAS está sendo inaugurado. “Mesmo após seis anos, ainda faltavam ser instalados geradores de energia; o centro de esterilização de materiais; a farmácia hospitalar e outras áreas de infraestrutura, todas indispensáveis ao funcionamento do Hospital”, disse Beltrame.

O titular da Sespa destacou a importância do Hospital para a população e sistema de saúde do Estado. “Tenho certeza que nós teremos daqui para frente uma gestão adequada, competente, regulada, monitorada, controlada e que receberá, diferente do que acontecia no passado, de acordo com a produção realizada e pela qualidade do serviço realizado”, informou o secretário.

Já o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, enfatizou a importância da prevenção e do fortalecimento da Atenção Básica, para que as pessoas adoeçam menos e necessitem menos de atendimento em média e alta complexidade. Ele também alertou sobre os baixos índices de cobertura vacinal no Brasil e no Pará. “Precisamos organizar a Atenção Básica”, observou.

No que tange aos recursos liberados para o estado, Mandetta disse que cerca de R$ 60 milhões são livres para fazer o hospital funcionar. “Isso não era feito antes, o serviço era aberto com recursos próprios e promessa do Ministério da Saúde de entrar com recursos depois, isso não estava certo”, afirmou.

Tomografia será um dos serviços disponibilizados no 'Abelardo Santos' a partir de 1º de outubroO representante federal anunciou ainda o novo financiamento da Atenção Primária, que incluiu o Financiamento Variável para premiar a boa equipe de saúde, o bom prefeito e a boa Secretaria de Saúde, e o Programa Médicos pelo Brasil, em que o Pará será beneficiado com maior número de profissionais em função da maior necessidade.

Mais serviços – Outros serviços estarão disponíveis a partir de 1º de outubro, como Raio-X, Tomografia, Mamografia, Ultrassom e exames laboratoriais, consultas eletivas em pediatria clínica e médica e ginecologia e obstetrícia para pacientes externos regulados pela Central Estadual.

Em 90 dias (janeiro), será iniciado o atendimento em Nefrologia, com 25 máquinas de hemodiálise, com capacidade para atender a 150 pacientes em três turnos, além de suporte hospitalar 24h para intercorrências de pacientes renais crônicos. Ao mesmo tempo, passa a ser oferecido o serviço de Urologia Clínica e Cirúrgica.

Atendimento especializado à mulher é uma das prioridades do governo Helder Barbalho.