Força-tarefa combate queimadas no oeste do Pará

15/09/2019 21h28 - Atualizada em 16/09/2019 17h49

Ao todo, 227 homens estão trabalhando para conter o fogo.Uma força tarefa montada pelo governo do Estado atua para combater o incêndio na região de Alter do Chão e Ponta de Pedras, no oeste do Pará. De acordo com o comandante do 4° Grupamento Militar, tenente coronel Tito Azevedo, os três focos de incêndio em Alter já foram extintos, e ainda há um sendo combatido na região Samaúma e Capadócia, em Ponta de Pedras. O local constitui uma Área de Preservação Ambiental (APA), de modo que não há população em risco.

Ao todo, 227 homens estão trabalhando para conter o fogo, sendo 57 militares do CBMPA, 150 homens do Exército Brasileiro e 20 brigadistas voluntários treinados pelos bombeiros, além do apoio da Prefeitura de Santarém, Polícia Civil, Polícia Militar e Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Foi feito um “aceiro” (área semelhante à uma trilha que é limpa para isolar a área) com o objetivo de quebrar o avanço dos focos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o clima seco da região dificulta o trabalho das equipes. "Não chove há aproximadamente 20 dias e os ventos fortes dificultam o combate. O local também é de difícil acesso, porém estamos com ações estratégicas para resolver o problema", reforçou tenente coronel Tito.

Apoio – O governador Helder Barbalho solicitou apoio do Governo Federal, por meio da operação de Garantia de Lei e Ordem (GLO), que atua no controle das queimadas, para reforçar o trabalho de combate as chamas na região. O contato foi feito na noite de domingo (15) com o ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. O comandante do Conjunto Norte, general Paulo Sérgio, também pediu assistência ao Comando Militar da Amazônia, para deslocamento de um avião pipa.

O primeiro foco foi identificado no sábado (14) e atingiu uma área de mata conhecida como Capadócia, que fica entre a localidade de Ponta de Pedras e a vila de Alter do Chão. As chamas foram controladas no domingo (15).Na manhã desta segunda-feira (16), um drone foi utilizado para fazer o reconhecimento da área. O sobrevoo ajudou as equipes a identificar os locais afetados e distribuir as frentes de trabalho para atuar de forma intensiva.

A Semas enviou uma equipe ao local para atuar, caso seja identificada alguma situação que configure crime ambiental. A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Conflitos Agrários de Santarém, instaura nesta segunda um inquérito para investigar se o incêndio foi provocado e também situações que envolvam crimes ambientais.

"Vamos contar com policiais civis da Superintendência Regional, da Seccional de Santarém, da Delegacia de Alter do Chão e do Núcleo de Apoio à Investigação (NAI) de Santarém. O inquérito será presidido pelo delegado Fábio Amaral, da Delegacia de Conflitos Agrários (Deca) do município", explica o titular da Superintendência da Polícia Civil do Baixo Amazonas, Jamil Casseb. Segundo ele, essas equipes irão se deslocar à área dos incêndios em Alter do Chão ainda nesta segunda-feira.

Santarém – O primeiro foco foi identificado no sábado (14) e atingiu uma área de mata conhecida como Capadócia, que fica entre a localidade de Ponta de Pedras e a vila de Alter do Chão. As chamas foram controladas no domingo (15), quando um novo foco de incêndio foi identificado pela equipe do Corpo de Bombeiros na região.

Por Governo do Pará (SECOM)