Ideflor-Bio e Exército combatem crimes ambientais no Mosaico Lago de Tucuruí

03/09/2019 18h51 - Atualizada em 03/09/2019 22h01
Por Pryscila Margarido (IDEFLOR-BIO)

As ações integradas tem o apoio da 23ª Brigada de Infantaria e Selva de Tucuruí e de secretarias municipais de Meio AmbienteMais de 2.300 metros de malhadeiras irregulares, arpões, armadilhas para pássaros, armas de fogo, motosserras, gaiolas e outros apetrechos utilizados na prática de crimes  ambientais, como pesca predatória, desmatamento e caça, foram apreendidos na região do Mosaico Lago de Tucuruí, no sudeste paraense. Desde o último domingo (1º), o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), por meio da Gerência do Lago de Tucuruí, realiza ações integradas na região com apoio da 23ª Brigada de Infantaria e Selva de Tucuruí e de secretarias municipais de Meio Ambiente. 

O objetivo é combater o desmatamento, queimadas e outros ilícitos ambientais nas Unidades de Conservação estaduais, que abrangem os municípios de Tucuruí, Breu Branco, Goianésia do Pará, Jacundá, Novo Repartimento, Nova Ipixuna e Itupiranga. As ações de fiscalização, coordenadas pela Gerência do Lago de Tucuruí, já estavam sendo executadas de forma conjunta com as secretariais municipais de Novo Repartimento, Tucuruí e Jacundá. Para intensificar o trabalho, foi solicitado apoio do Exército, informou a presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson.Mais de 2.300 metros de malhadeiras irregulares foram apreendidas pelos fiscais

“A fim de dar cumprimento ao decreto do Governo Federal de nº 9.992, que suspende o emprego de fogo pelo período de 60 dias, a contar do último dia 29, o Instituto solicitou o apoio do Exército nas atividades”, disse a gestora. “No primeiro momento, foi realizada uma inspeção aérea para identificar os pontos mais críticos. O Exército disponibilizou equipamentos e participou efetivamente na definição de estratégias a serem adotadas”, complementou Karla Bengtson.

Atuação em campo - Gerente da Região Administrativa do Mosaico Lago de Tucuruí, Mariana Bogéa explicou que está sendo realizado um trabalho de identificação dos pontos críticos. “Estamos indo a campo, verificando e confirmando se realmente esses pontos são de desmatamento e/ou queimada. Uma vez identificados, os responsáveis são notificados e autuados, conforme recomenda a legislação vigente”, disse a gerente.

Crimes contra a fauna também são combatidos nas Unidades de Conservação“A grande maioria é de propriedades privadas. Esses pontos estão sendo analisados um a um”, informou Mariana Bogéa, acrescentando que, no levantamento prévio, o município que aparece com o maior índice de desmatamento é Novo Repartimento. As ações de fiscalização são custeadas pelo Ideflor-Bio com o apoio dos municípios, e a logística do Exército pelo Governo Federal, atuando com o efetivo de quase 20 militares.As ações de fiscalização são coordenadas pela Gerência do Lago de Tucuruí,

Conservação - Foram devolvidos ao meio ambiente 30 pássaros encontrados em situação de aprisionamento. Também houve o resgate de dois papagaios e uma arara que estavam em abandonados. Mariana Bogéa ressaltou que a manutenção das ações de fiscalização ambiental, priorizadas pelo Ideflor-Bio, são fundamentais para garantir a conservação dos recursos naturais da região, e têm efeito positivo. 

“Moradores se alegram ao ver a melhoria da quantidade e qualidade do pescado. Pessoas que residem em outras regiões elogiam as ações e solicitam apoio para que as ações sejam estendidas para além do Mosaico, com o objetivo de resguardar o meio ambiente na região como um todo”, disse Mariana Bogéa.