Operação Fênix continua combate a incêndios florestais no sudoeste do Pará

31/08/2019 15h10 - Atualizada em 31/08/2019 19h12
Por Igor Luz (CBM)

A operação de combate a incêndios florestais no sudoeste do Pará, denominada Fênix, prosseguiu neste sábado (31), com o deslocamento pela manhã de uma guarnição para o município de Novo Progresso, formada por 70 militares do Exército e dez bombeiros militares, comandada pelo capitão Marcos Leão, além de 15 brigadistas. À tarde, o material usado no combate a incêndio florestal foi enviado, junto com os equipamentos de proteção individual (EPIs). O objetivo da missão é fazer o reconhecimento da área e chegar a pontos da Terra do Meio e de Terras Indígenas.

A equipe de vários profissionais que está combatendo focos de incêndioNa última quinta-feira (29), integrantes do Corpo de Bombeiros Militar do Pará, por meio da Guarnição de Combate a Incêndios Florestais (GCIF), se reuniram no 7° Grupamento Bombeiro Militar em Itaituba, para o levantamento de dados sobre a área de atuação nos municípios de Itaituba, Trairão, Novo Progresso (Serra do Cachimbo) e Altamira (distrito de Castelo dos Sonhos).

Participaram da reunião o comandante do 53° Batalhão de Infantaria de Selva/Itaituba, coronel Peixoto dos Santos; o comandante do 7° GBM, major Júnior, e seu subcomandante, capitão Luiz, e o capitão Marcos Leão, subcomandante da Operação Fênix em Itaituba.

O Exército Brasileiro disponibilizou 193 homens capacitados, cinco caminhões para transporte de tropa, uma base operacional com capacidade para 100 homens, alimentação, uma aeronave para combate e outra para monitoramento.Aeronaves foram postas à disposição para a Operação FênixAs estratégias de ação foram definidas em reuniões da rede de parceiros

Dados em tempo real - A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) ofereceu uma viatura, e envia informações em tempo real dos focos de incêndios. O Instituto Nacional do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) auxilia com o Prevfogo (Sistema Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais), 14 brigadistas e materiais específicos - como 18 abafadores e materiais para fazer cercos/edificações, chamados de Sapa.

A Secretaria de Meio Ambiente Municipal disponibiliza três fiscais e uma viatura de apoio, enquanto a Polícia Militar e a Força Nacional cede homens para realizar a segurança das tropas nas regiões. Homens do Corpo de Bombeiros combatem focos durante a tarde e a noite.

Ainda na quinta-feira (29) houve reunião no 53° BIS, a fim de continuar o combate às queimadas em todo o Estado. Foi instalado um Sistema de Comando de Incidente na região, pelo Corpo de Bombeiros. Um Centro de Monitoramento Integrado também foi instalado nos órgãos que utilizarão um sistema para controle do fogo.

Mais uma reunião foi realizada na sexta-feira (30), no 53º BIS, com representantes de outros órgãos, como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que ficará responsável pelo monitoramento e também fornecimento de dados em tempo real. A Polícia Federal atua com até cinco homens para acompanhar a operação, além de mais um perito. A Secretaria de Saúde Indígena ofereceu 400 profissionais da área, enquanto a Polícia Civil também apoia a operação, cuja finalidade é estabelecer procedimentos básicos de combate a incêndio florestal, que serão executados pelo Corpo de Bombeiros Militar do Pará em período provisório, com o objetivo de enfrentar as queimadas.