TerPaz oferece 12 oficinas a jovens moradores do Icuí

28/08/2019 22h54 - Atualizada em 29/08/2019 10h40
Por Claudiane Santiago (SEJUDH)

Jovens poderão se inscrever em oficinasCom a proposta de incentivar o jovem a ser protagonista e fazer a diferença no lugar onde mora, o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), lançou na terça-feira (27) o edital do projeto social “Juventude Protagonista”, no bairro do Icuí, no município de Ananindeua (Região Metropolitana de Belém). O projeto integra as ações do Programa Território pela Paz (TerPaz). 

O edital está disponível no site da Sejudh, e prevê que jovens entre 13 e 17 anos, moradores do bairro, em situação de vulnerabilidade social, possam se inscrever até o próximo dia 30 (sexta-feira). O “Juventude Protagonista” vai oferecer 12 oficinas, com temas escolhidos para dialogar, esclarecer e envolver o jovem, para que se torne multiplicador no bairro, com a participação da família e da comunidade escolar, explicou o titular da Sejudh, Rogério Barra.

Rogério Barro, secretário da SejudhAs oficinas começarão no dia 17 de setembro, e serão realizadas, semanalmente, abordando diversos temas, como Autoconhecimento, Análise de Oportunidades Locais, Juventude e Combate à Droga, Álcool e Abuso Sexual, Direitos Humanos, Iniciação à Fotografia e Comunicação Multimídia, culminando com a apresentação do trabalho à comunidade durante um workshop e uma ação de cidadania no bairro.

O projeto é um laboratório que vai atender, inicialmente, 30 jovens, aumentando a oferta conforme o avanço das atividades, para chegar a todos os territórios hoje atendidos pelo TerPaz. O lançamento ocorreu na Escola Estadual de Ensino Fundamental “Francisco Paulo Mendes”. “Gostei do que foi apresentado, e espero ansiosamente pelo início das oficinas porque nunca teve algo assim aqui na área. Nosso bairro sempre foi esquecido pelo governos”, disse a estudante Isis Souza, 17 anos.

Adolescentes de 13 a 17 anos poderão participar das oficinasPara o professor Celso Braga, o projeto é uma iniciativa diferenciada, ao trabalhar a prevenção no combate à violência. “É muito importante um projeto como esse no bairro, onde a violência assusta a população. Mostra que o Estado está disposto a trabalhar para prevenir, e não apenas focar na repressão, quando estimula a nossa juventude a mudar a sua realidade e o território à sua volta”, destacou.