Cresce o número de empresas registradas no Pará em 2019

22/07/2019 17h41 - Atualizada em 22/07/2019 19h03
Por Fabíola Uchôa (JUCEPA)

A estabilidade da economia, associada à rígida conduta de redução de gastos imposta por decreto governamental, ajuda a criar esse cenário mais otimista, que reflete na estatística positiva da Junta Comercial do Pará, que registrou, de janeiro a junho de 2019,  aproximadamente 30 mil empresas constituídas neste primeiro semestre.

Os números superam os do ano de 2018, que registrou, durante o mesmo período, um pouco mais de 20 mil novas empresas constituídas em todo o Estado. A quantidade deempresas abertas no Pará continua superior à de empreendimentos que estão fechandoas portas.

De acordo com a presidente da Jucepa, Cilene Sabino, o volume de abertura de empresas foi positivo neste primeiro semestre. "Estamos realizado um trabalho muito forte nos interiores do estado, unindo esforços para levar os serviços da Junta cada vez mais longe, com celeridade e integração, e dessa forma favorecer o empresário e a economia dessas regiões, pois novas empresas 
geram mais emprego e renda para o estado", afirma.

O resultado do trabalho realizado pela Junta levou os municípios de  Santarém e Altamira a apresentarem saldo positivo no balanço de constituições versus extinções, em 2019. De janeiro a junho, mais de 1.500 em Santarém, e um total de 700 em Altamira. Capanema, Canaã dos Carajás e Breves ficaram com saldo positivo, em torno de 400, 300 e 250 novas constituições de empresas respectivamente.

Sistema Integrador Pará 

Mais do que o registro de uma empresa, a Jucepa tem o desafio de ser um órgão de incentivo da economia do Estado. Para isso, tem modernizado seus serviços através da Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas eNegócios, que está sendo implantada por meio do Sistema Integrador Pará, que incorpora todas as etapas de abertura, alteração e baixa de empresas, mas que para isso precisa não só da adesão de órgãos como Corpo de Bombeiros, Secretarias de Fazenda e de Meio Ambiente e Vigilância Sanitária, como principalmente das prefeituras, que só têm a ganhar com a adesão. O sistema visa simplificar os procedimentos e oferecer aos empreendedores um ambiente de negócios célere e seguro.