Movimento Maio Amarelo é lançado em Belém

10/05/2019 15h54
Por Redação - Agência PA (SECOM)

O apelo das crianças para que seus pais tornem a circulação nas vias mais segura, seja no respeito às sinalizações ou na harmonia com ciclistas, pedestres e demais atores do trânsito é o eixo central do movimento Maio Amarelo, lançado oficialmente na manhã desta sexta-feira (10), na Praça Santuário, em Belém, pelo Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran).

O movimento tem caráter mundial e ocorre em maio porque no dia 11 deste mês, no ano de 2011, a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou esta como a década de ação para segurança no trânsito. O “amarelo” faz referência à cor de advertência dos semáforos, em um alerta para os seis principais fatores de risco nas vias, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS): não uso do capacete, não uso do cinto de segurança, uso do celular, não uso do dispositivo de retenção para criança, excesso de velocidade, associação entre bebida e direção.

“Existe uma mobilização nacional, é um mês inteiro de educação e de conscientização. O Detran já realiza um trabalho nesse sentido, mas que precisa ser intensificado desde a infância, através de cooperações entre o órgão e a rede pública de ensino, para que os alunos tenham  orientações de trânsito e se disciplinem, para que eles cheguem à idade de dirigir já tendo essa conscientização. Além disso, esse mês de maio serve também para alertar quanto aos índices de acidentes e visa uma mudança de cultura de quem já dirige de forma equivocada”, diz o diretor geral do Detran, Marcelo Lima Guedes.

O foco no público infantil, como frisou Guedes, foi um ponto importante da programação de abertura, que contou com a presença de 420 estudantes das redes pública e particular de ensino. Na Praça Santuário, a coordenadoria de Educação do departamento deixou à disposição pinturas, jogos educativos, mágica do trânsito, o Cine Detran, além de interações lúdicas e dinâmicas, que foram aprovadas pelos alunos e professores.

“A gente prioriza, como professor em sala de aula, o respeito pelo outro. Isso é uma característica que deve ser priorizada em todos os setores da sociedade, inclusive no trânsito. Ações como essa são importantes, pois as crianças vivenciam o trânsito de forma lúdica, em uma educação inclusiva, enriquecendo o ensino e a aprendizagem”, comenta a professora Joana Arrego, da Escola Estadual de Ensino Fundamental Pinto Marques.

Atendimento em saúde - A doméstica Leomara Monteiro, de 54 anos, foi conferir a programação e além de aprender um pouco mais sobre prevenção de acidentes de trânsito e como fazer uma reanimação cardiorrespiratória em casos de emergência, ela aproveitou para cuidar da saúde, já que o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, que participou da ação, disponibilizou no local atendimentos de aferição de pressão, glicemia e orientações sobre alimentação saudável.

“Achei a programação maravilhosa e o tema - prevenção de acidentes de trânsito – mais ainda. Hoje mesmo eu vinha no ônibus com muito medo porque o motorista vinha com muita velocidade. Falta mais educação no trânsito tanto pela parte dos motoristas quanto dos pedestres, então acredito que esse tipo de evento é muito importante por incentivar essa conscientização”, afirmou Leomara.

A funcionária pública, Ângela Auad, de 63 anos, que caminhava próximo ao espaço também aproveitou para participar da ação e deixou uma mensagem para todos os motoristas, motociclistas e pedestres. “Respeitem mais a sinalização, cuidem da sua vida e da vida do próximo”, enfatizou.

O Hospital Metropolitano é especializado no atendimento de casos de trauma de média e alta complexidades, e é gerido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Saúde Pública do Estado (Sespa). O Metropolitano terá ainda uma programação alusiva ao Maio Amarelo, de 27 a 30 de maio, com rodas de conversa em postos de saúde e escolas, palestras na Unidade para os visitantes e acompanhantes, e jogos educativos sobre trânsito envolvendo usuários e colaboradores do Hospital.

Municípios – A programação do Maio Amarelo no Pará pretende atingir cerca de 60 mil pessoas em 60 municípios, com foco nas palestras em escolas, empresas e comunidades rurais, além de abordagens em faixas de pedestre, blitz educativas nas vias e com a ação Transitando nos Bares.

Para o coordenador de Educação do Detran, Victor Oliveira, o sucesso do movimento depende dessa união de forças. “O Pará abraçou essa causa e conclama todos a refletir sobre a redução dos índices de mortandade. São 143 países que aderiram e toda a sociedade precisa dar as mãos para que a prevenção e a educação sejam o lema no trânsito, pois o sentido é a vida”, afirma.

Parceiros - Durante o evento, diversos parceiros estiveram com estandes no local, ofertando serviços variados à população. Na área da saúde, a Universidade da Amazônia (Unama) fez avaliação e orientação nutricional, avaliação física, treinamento funcional e aulão de ritmos, que contou com participação maciça dos estudantes presentes. Já a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) levou seus serviços de vacinação, teste de HIV e hepatite, medida certa e verificação de pressão arterial. No estande do Hospital Metropolitano, o público teve acesso a testes de glicemia, demonstração de RCP e apresentação de arte-educadores.

Na concha acústica da Praça Santuário, foram realizadas apresentações culturais, com grupos folclóricos de carimbó, sopristas e a banda do Corpo de Bombeiros.

Por fim, órgãos e entidades voltados ao trânsito e à cidadania levaram ao evento palestras educativas, demonstração de equipamentos de segurança e entrega de material informativo.

Estiveram presentes o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Associação Paraense de Motociclistas (Aspamoto), Vida Pará, My Way, União dos Escoteiros do Brasil e Movimento pela Vida (Movida), Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará, Cruz Vermelha, Secretaria de Cultura do Estado, Cofan, a Empresa de Tecnologia e Segurança da Informação – Itrânsito, o Centro Amazônico de Ensino Profissionalizante (Caep), Basílica de Nossa Senhora de Nazaré e as faculdades Fibra, Unip, Estácio FAP e Esamaz.

*Colaborou Ascom Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência