Governo quer ampliar rede de parceiros e alcance das ações da Fundação ParáPaz

25/03/2019 19h39
Por Redação - Agência PA (SECOM)

Fundação ParáPaz é a nova denominação do órgão do Governo do Pará responsável pelas políticas públicas voltadas à infância, adolescência e juventude, e às pessoas em situação de vulnerabilidade social, por meio de ações de prevenção, redução e solução de conflitos. A criação da ParáPaz representa bem mais do que uma mudança de nomenclatura (antes o órgão se chamava Pro Paz). O novo nome simboliza a importância e a amplitude que o atual governo quer dar às ações de promoção da cultura de paz, para que alcancem crianças, adolescentes, jovens, mulheres e demais cidadãos e cidadãs em situação de risco pessoal e social por todo o Pará.

Para que chegue às seis mesorregiões paraenses, a Fundação ParáPaz vai articular não somente com os parceiros já existentes, como outros órgãos do Estado, prefeituras municipais e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), mas também buscará novos colaboradores institucionais, além da iniciativa privada e outros segmentos sociais.

Transformação - “A sociedade já entendeu que é preciso unir esforços, para que haja a transformação que queremos. É muito bom saber que muitos querem contribuir com a nossa Fundação para a disseminação de uma cultura de paz”, ressalta Ray Tavares, presidente da Fundação ParáPaz.

No município de Santarém, no oeste paraense, já foi realizada a primeira Ação Cidadania do Programa ParáPaz no último dia 22 de março. Além dos inúmeros serviços ofertados por órgãos governamentais, microempreendedores se engajaram na ação e ofereceram à população corte de cabelo e serviços de manicure e pedicure, dentre outros.

Ampliação - Outra mudança significativa diz respeito à ampliação das ações desenvolvidas pela Fundação ParáPaz. Mulheres vítimas de violência que chegarem às unidades da instituição serão incentivadas a se tornarem empreendedoras, para que ganhem independência econômica. Estudos mostram que esse tipo de dependência é uma das principais causas que levam mulheres a permanecerem reféns de relacionamentos violentos.

A ParáPaz também vai trabalhar com os agressores, para que revejam seus comportamentos e passem a adotar novas formas de conduta, entendam a gravidade de seus atos, não encarem a violência como algo natural e não reincidam. A inclusão digital também será uma ação estratégica para disseminar a cultura de paz entre crianças e adolescentes atendidos pela Fundação.

A nova Fundação ParáPaz, assim como ocorreu com a Fundação Pro Paz, precisará ser instituída por lei, especificando a natureza, finalidade, missão, funções e outras informações importantes para seu pleno funcionamento. A nova estrutura já está sendo elaborada pelo Governo do Estado para envio ao Poder Legislativo.