Projeto subsidia implantação de prontuário eletrônico no HOL

26/01/2015 12h20
Por Redação - Agência PA (SECOM)

A implantação de um prontuário eletrônico no Centro de Alta Complexidade em Oncologia Hospital Ophir Loyola (Cacon) é o objetivo de um projeto de dissertação para a gestão da informação, desenvolvido pelo coordenador da Divisão de Pesquisa do hospital, Rinaldo Almeida. O pesquisador fez uma visita técnica ao Instituto Nacional de Câncer José Alencar (Inca) para estudar a viabilidade de diagnóstico institucional, análises e informatização na cultura organizacional.

Na área de oncologia, o Inca é referência na América Latina e em todo o mundo no uso da tecnologia para a coleta de informações, assim como o AC Camargo possui apenas informações pelas vias eletrônicas. “Obtive o conhecimento de como o instituto iniciou este processo de obtenção de dados até lançar, em novembro do ano passado, o Atlas on line de Mortalidade, que será muito importante não só para a pesquisa, assim como para a terapêutica oncológica”, frisou.

O Atlas constitui um espaço virtual no qual gestores da saúde, pesquisadores, acadêmicos e profissionais da comunicação poderão visualizar, por diferentes abordagens, o comportamento da mortalidade por câncer e também fazer a análise da relação entre as mortes provocadas pela doença e variáveis associadas a estilos de vida, condições ambientais e diferenças populacionais.

O projeto do prontuário eletrônico do HOL terá caráter mutiprofissional e deverá ser instalado no Cacon em um prazo de dois anos. “Inicialmente faremos a análise do processo que é adotado atualmente no Hospital Ophir Loyola desde o momento em que o paciente chega ao hospital, e de como são implantados os dados desse paciente e os fatores epidemiológicos - de onde ele vem, de que região migrou, etc”, informou, ressaltando a necessidade de envolvimento dos servidores para o aprimoramento das ferramentas de gestão e da qualidade da assistência prestada aos pacientes.

O presidente do Inca, Dr. Luiz Antonio Santini, considera a informação adequada um componente estratégico e fundamental para o controle do câncer. “Para expandir o conhecimento sobre a doença à população e qualificar cada vez mais as informações transmitidas, precisamos de fontes confiáveis como o Atlas e profissionais de comunicação comprometidos com o trabalho de compartilhar e multiplicar o conhecimento sobre saúde e sobre o câncer”, ressaltou.

A utilização do prontuário eletrônico trará vantagens para os profissionais, pacientes e para a gestão financeira e administrativa do hospital. Os números serão utilizados em projetos de pesquisa como o PPSUS - Programa de Pesquisa para o Sistema Único de Saúde, por exemplo. “Às vezes os mesmos exames laboratoriais e de imagem são solicitados por instituições e setores diferentes para um mesmo fim, gerando gastos que podem ser minimizados com a utilização do prontuário eletrônico. No caso do HOL, o paciente será beneficiado com mais qualidade e rapidez nos exames, diagnósticos e terapêuticas”, assegurou, argumentando que os avanços da gestão e dos recursos tecnológicos que advém da experiência e do conhecimento prévio e sistemático implementados no Inca são também viáveis aos outros centros de tratamento, ensino e pesquisa em oncologia no restante do país, em especial no Estado do Pará.