Imprensa Oficial participa da abertura oficial da 1ª Festa Literária de Marabá

22/09/2019 09h26 - Atualizada em 22/09/2019 16h26
Por Ailson Braga (IOE)

Com apresentações da Banda Municipal e da cantora Lucinnha Bastos, a cidade de Marabá assistiu a cerimônia de abertura da 1ª Festa Literária na noite deste sábado (21). A cerimônia contou com a presença de diversas autoridades locais e do governo estadual, além do público em geral, que compareceu ao Auditório Multivozes, do Centro de Convenções Carajás – Eventos e Feiras. A 1ª Festa Literária de Marabá faz parte da 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes, realizada pela Secretaria de Cultura do Estado do Pará (Secult), no Centro de Convenções Carajás – Eventos e Feiras.

Entre as autoridades presentes ao evento estavam Jorge Panzera, presidente da Imprensa Oficial do Estado do Pará (Ioepa); Mariuza Leite, secretária Municipal de Educação de Marabá; secretário regional de governo do sul e sudeste, João Chamon Neto; José Scherer, secretário municipal de Cultura de Marabá; Júnior Soares, representante da Secretaria de Cultura do Estado do Pará (Secult), além do escritor marabaense Airton Souza, entre outros convidados.

Jorge Panzera falou da satisfação da Ioepa em estar presente àquela cerimônia e participar da 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes e da 1ª Festa Literária de Marabá. Panzera destacou o trabalho que a Imprensa Oficial vem fazendo em relação à implantação de uma política pública de publicações para o Estado.

Jorge Panzera, presidente da IOEPA

“Desde que iniciamos esta gestão, por determinação do governador Helder Barbalho, nós temos um projeto de transformar a Imprensa Oficial em uma editora pública do Estado do Pará, trabalhar com livros, o que ocorreu na abertura da 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes. Também por determinação do governador, nós deixamos de imprimir o Diário Oficial do Estado, que agora tem sua versão 100% digital. Esse é nosso projeto: modernizar a Ioepa e torná-la cada vez acessível à sociedade. Essa transformação pela qual passamos é um esforço do governo estadual de investir na produção de livros, na produção do conhecimento, do saber, buscando fazer disso uma política pública, investindo ainda mais na ideia e na cultura do livro, na cultura da paz”, comentou Panzera.

Ele ressaltou que a Ioepa marca presença em Marabá com uma série de atividades além daquele momento da cerimônia de abertura, como a realização, no dia 26, de uma reunião com os autores marabenses para discutir sobre a política pública de publicações. Panzera lembrou ainda que o lançamento do Edital “Prêmio Dalcídio Jurandir 2019”, ocorrido no último dia 20, também é uma tradução da forma de trabalhar da nova gestão e o objeto principal da reunião com escritores locais. “Vamos ter também o lançamento de um livro daqui de Marabá escolhidos pelos autores daqui e pelas academias em reunião com a Ioepa. O livro ‘Marabá – Coração de Mãe’, de João Brasil Monteiro, será lançado no dia 27 no nosso estande".

Segundo Panzera, outro momento importante foi a publicação do primeiro edital público da Ioepa para seleção de obras inéditas de autores do Estado. O edital é uma concorrência pública que vai abranger todas as 12 regiões do Pará. "Vamos lançar 13 livros com esse edital, uma concorrência pública que terá 12 livros em prosa e um de poesias, com a coletânea de 10 poemas de autores de cada região, e que serão produzidos pela Imprensa Oficial. O edital está em nosso site e as inscrições começam daqui a 45 dias, informou.

O secretário municipal de Cultura José Scherer se pronunciou sobre a importância econômica da atividade cultural que é a Festa Literária. “Após o sucesso do Salão do Livro de 2018, que contou com cerca de 80 mil visitantes, este ano esperamos aumentar esse número. A movimentação financeira estima nesses nove dias de evento é de R$ 1 milhão. Contaremos com o CredLivro, que possibilita aos professores das redes estadual e municipal de ensino adquirir livros para aumentar suas bibliotecas particulares e com isso será injetado cerca de R$ 730 mil. Então a Festa Literária é uma atividade que movimenta a economia, além de fomentar a atividade artística, já que com o evento há atividades que trazem os atores, os contadores de histórias, os músicos, fazendo girar a roda da cultura”, resaltou José Scherer.   

 Scherer informou ainda que A 1ª Festa Literária conta com 28 estandes, sendo 20 do Estado do Pará e oito de outros estados e um estande de autores marabaenses. “São cerca de 100 editoras e 25 mil títulos à disposição do público, gerando mais de 200 empregos diretos e indiretos”, finalizou o secretário de Cultura de Marabá.

Protagonismo - O representante da Secult, Júnior Soares, lembrou que a extensão da Feira do Livro para abarcar as mais diversas vozes traz a determinação política de garantir a representatividade de segmentos sociais variados, que precisam ser ouvidos e divulgados. “Nós fizemos essa extensão das multivozes porque entendemos que a palavra em forma de oralidade, aquela que não está apenas dentro dos livros, mas que é falada, as vozes do ativismo, as falas das minorias, elas precisam estar contempladas também em nossa programação. Tanto que ao redor dessa Festa Literária há uma atividade cultural intensa, mesas redondas, rodas de conversas, debates específicos sobre LGBTI+, temas da afroamazônicos, o imaginário da região, nossos indígenas, a mulher etc”, argumentou Júnior Soares.

Ele disse ainda que Marabá é um exemplo de protagonismo que a Feira Pan-Amazônica do Livro procura estabelecer, para que o Pará se reconheça em sua cultura e em seu fazer artístico, que os municípios mostrem seu protagonismo, valorizando suas identidades, suas variedades e potenciais culturais.

O secretário regional de governo do sul e sudeste, João Chamon Neto, elogiou a iniciativa da Secult para o incremento da cultura, do saber e do conhecimento do povo paraense. Ele destacou a parceira do governo do Estado e da Prefeitura de Marabá, por meio das secretarias municipais de Cultura e Educação, para o sucesso da 1ª Festa Literária. “Marabá já tem um histórico de presença marcante na literatura, com seus escritores. Como secretário regional de governo, sinto-me extremamente satisfeito por contribuir nessa parceria para que o conhecimento e o saber de nosso povo do sul e sudeste do Pará aumentem cada vez mais”, declarou João Chamon Neto.

Serviço:  A 1ª Festa Literária de Marabá faz parte da 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes e ocorre até o dia 29, das 10 às 22h, no Carajás Centro de Convenções, em Marabá.