O PARÁ DE VOLTA AO TRABALHO

Pará registra aumento expressivo na abertura de novas empresas

Mais de 71 mil novas empresas foram abertas no Estado, 11 mil a mais que em 2019

04/01/2021 13h22 - Atualizada em 08/01/2021 às 15h10

Jucepa registra aumento de 9,3 mil ou 19,60%, de Microempreendedores Individuais (MEIs) legalizados em 2020, comparando com 2019A Junta Comercial do Estado do Pará (Jucepa) registrou um expressivo aumento no número de empresas constituídas no Estado, refletindo a retomada da economia e a confiança do investidor no Governo do Pará durante 2020, em meio à pandemia do novo coronavírus.

Segundo os dados obtidos de janeiro a 10 de dezembro, foram abertas 71,3 mil empresas, 11,4 mil há mais se comparado ao mesmo período de 2019, que foi de 59,8 mil. Outro dado importante foi a redução no número de empresas extintas. Em 2019, foram fechadas 19,4 mil e em 2020 este número caiu para 16,9 mil, redução de mais de 13%, uma evidência da confiança que o investidor deposita no Estado.

A pesquisa aponta ainda que o setor que mais se destacou na abertura de novos empreendimentos em 2020 foi o comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios e deve continuar como tendência para 2021.

No Pará, o comércio varejista de artigos do vestuário e de acessórios está em primeiro lugar com 11,3 mil novos empreendimentosO comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios está em primeiro lugar com 11,3 mil novos empreendimentos no estado, seguidos pelo comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal, com 8,8 mil; em terceiro temos o comércio varejista de bebidas, com 7,2 mil; em quarto o comércio varejista de artigos de armarinho, com 6,091 mil; e em quinto lugar, o comércio varejista de calçados com 5,3 mil empreendimentos.

Com relação aos portes das empresas que foram mais incidentes em 2020, a microempresa foi a maior, com 67,099 mil, seguida pela empresa de pequeno porte, com 3,067 mil; e as sem porte, com 1,1 mil.

MICROEMPREENDEDORES

Com relação aos Microempreendedores Individuais (MEIs) legalizados em 2020 foram, ao todo, 57,1 mil inscrições, um aumento de 9,3 mil ou 19,60% em comparação ao mesmo período de 2019, quando foram 47,8 mil. Os municípios que mais se destacaram no número de abertura de empresas foram Belém, 17,5 mil; Ananindeua, 5,8 mil; e em terceiro o município de Santarém, 3,028 mil.

Para a presidente da Jucepa, Cilene Sabino, o resultado positivo é fruto dos esforços em conjunto com o Governo do Pará para desburocratizar o registro mercantil e atrair novos investidores. Entre os avanços conquistados em 2020, a presidente aponta a integração com os órgãos de licenciamento e com os municípios, proporcionando mais agilidade para os que pretendem instalar seus empreendimentos no Estado.

Outra importante realização da Jucepa foi a implantação do processo 100% digital em fevereiro de 2020, que simplificou as etapas de registro de empresas, oferecendo muito mais acessibilidade, comodidade, agilidade, segurança jurídica aos empresários e reduzindo o tempo de análise técnica dos processos para segundos. O pagamento do preço público feito antes exclusivamente nos caixas do Banpará, foi facilitado com a descentralização do serviço, eliminando uma dificuldade a mais para o empresário.

Setor gastronômico valoriza alimentos produzidos a partir das frutas paraenses, a exemplo do cacau, matéria-prima do chocolate Desde 24 de agosto de 2020, o empresário pode fazer esse pagamento através do DAE (Documento de Arrecadação Estadual), que gera um código de barras e pode ser pago em outros bancos, além da isenção por 65 dias das taxas de serviços de abertura de novas empresas no estado e da disponibilização aos empresários de mil certificados digitais, do tipo e-CPF, token A3, com validade de três anos, para viabilizar a apresentação dos documentos ao e-Jucepa.

Essas iniciativas estimularam positivamente o ambiente de negócios, com abertura de cerca 15 mil novas empresas registradas na Jucepa durante o período de isenção do pagamento do preço público, de 14 de setembro a 17 de novembro de 2020, e contribuíram para o fomento da economia nesse período de retomada das atividades e geração de emprego e renda.

“Encerramos o ano dando passos importantes na construção da modernização, da facilidade, agilidade e do processo do registro mercantil no estado do Pará, tornando o ambiente atrativo para novos investimentos”, sintetiza Cilene Sabino.