I Encontro das Juventudes Indígenas do Pará conta com o apoio da Sejudh

Evento de 22 a 24, deste mês, reunirá os Tembé, Guajajara, Amanaye e Ka'apor, na Aldeia Cajueiro, em Paragominas

19/04/2022 12h49 - Atualizada em 19/04/2022 16h39

Representantes da Sejudh e dos povos indígenas na sede da secretaria nesta manhã de terça-feira (19) Com o objetivo de reunir mais de 70 indígenas dos povos Tembé, Guajajara, Amanaye e Ka'apor, entre os dias 22 e 24 de abril, ocorrerá o “I Encontro das Juventudes Indígenas do Povo Tembé do Estado do Pará”, na Aldeia Cajueiro, em Paragominas, sudeste do Pará. Uma reunião, nesta terça-feira (19), alinhou os detalhes do evento, que conta com o apoio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), por meio das Gerências de Promoção dos Direitos da Juventude e de Promoção dos Direitos dos Povos Indígenas.

Debates sobre a territorialidade dos povos indígenas e atividades como canoagem, cabo de guerra, arco e flecha e arremesso de lança fazem parte da programação. “Essa é a primeira vez que vamos reunir tantas lideranças indígenas em prol de uma discussão maior que é defesa do nosso território”, comentou Walber Tembé.

Para o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Valber Milhomem, receber as lideranças na data em que comemora-se o Dia dos Povos Indígenas, nesta terça-feira, mostra que a Sejudh está de portas abertas para os povos tradicionais. “Nós estamos muito felizes de recebê-los aqui e saibam que este órgão está à disposição para apoiar não este, mas todos os eventos que pudermos”, disse.

Dia dos Povos Indígenas

É papel da Sejudh, por meio do Programa Raízes, vinculada à Gerência de Promoção dos Direitos dos Povos Indígenas, a articulação junto aos demais órgãos da administração pública e com a sociedade civil organizada; também, a criação de políticas públicas nas mais diversas áreas, do campo, da cidadania, garantindo a emissão de documentos, entre outras atribuições.

As terras indígenas ocupam cerca de 13% do território nacional, 30% da Amazônia Legal, onde mais de 97% da vegetação nativa original está preservada, além de abrigarem 305 povos. As terras indígenas funcionam como áreas para a preservação de inúmeras espécies de fauna e flora brasileira, que não conseguem abrigo em outros lugares.

O Pará atualmente apresenta uma das maiores diversidades étnicas do Brasil. Ao todo, 55 etnias, aproximadamente, 60 mil indígenas, ocupam mais de 25% do território paraense, distribuídos em mais de 77 territórios indígenas, em 52 municípios. Mais de 30 idiomas de tronco linguístico de raiz são falados, como os Karib, Macro jê, Pano, Nheengatu, Tupi, Juruna, Munduruku.

Por Gerlando Klinger (SEJUDH)