Hemopa convoca doadores para atualização cadastral e otimizar o número de coletas no Pará

26/10/2021 15h45

A atualização do cadastro com informações importantes sobre o voluntário da doação de sangue é muito importante para impulsionar a captação e aumentar o número coleta de sangue no Estado, especialmente, em tempos de tantos desafios ainda impostos com a pandemia da Covid-19.

O serviço de Captação de Doadores da Fundação Hemopa, entre várias estratégias para captar doadores, destaca-se o acionamento do voluntariado, por telefone, especialmente, em casos de necessidade específica de tipo sanguíneo como os de RH Negativo (O-, B-, A-, AB-), em tempo hábil para atendimento transfusional da rede hospitalar.

De acordo com a titular da Gerência de Captação de Doadores (Gecad), a assistente social, Juciara Farias, atualmente, da média de 100 de pessoas acionadas, 50% resultam em ligações não efetivadas pela desatualização cadastral. “Venha, doe sangue e atualize seus dados cadastrais. Isso vai salvar muitas vidas”.

De 2000 até 2021, o banco de dados da Fundação Hemopa possui cerca de um milhão de doadores cadastrados. “Há necessidade extrema alertar a população doadora de sangue no Pará, no sentido de colocar seus dados cadastrais em dia, nas unidades de coleta de sangue mais próximo de você”, orientou a assistente social, que admite a dificuldade atual para manter estoque de sangue regular para atendimento satisfatório da coleta de sangue, que hoje está com uma capacidade de atendimento transfusional de 65%.

Segundo ela, a hemorrede vem mantendo suas ações estratégicas de captação de doadores como a Caravana Solidária que transporta pequenos grupos de voluntários para doação de sangue e devolve os doadores ao local de origem. Há ainda o agendamento de doação de sangue pelo 0800.280.8118.

Juciara Farias ressalta a importância da mobilização social em favor da causa, isso inclui, todos os segmentos da sociedade. Dentro deste contexto solidário, nesta terça-feira, a sede do Hemopa recebeu a Caravana do Hospital Pronto Socorro Municipal, do Guamá; e campanha externa em parceria com a Universidade da Amazônia (Unama), na Avenida Alcindo Cacela, além de ações de educação em saúde nos Hospitais Abelardo Santos, em Icoaraci; e D. Vicente Zico, na Travessa Lomas Valentina.

O apoio da população, potencialmente doadora de sangue, para reforçar o estoque técnico de sangue do Hemopa é refletido na atitude do estudante de Design Gráfico, Leão Henrique Carvalho de Jesus, 28, que doa sangue regularmente, até três vezes ao ano. Ele esteve na sede do Hemopa, nesta terça-feira, 26, e efetuou mais coleta de sangue. 

“Essa doação é para reposição do estoque de sangue do Hemopa solicitado pelas redes sociais em apoio ao prefeito Edmilson Rodrigues que está precisando e precisando de transfusão para melhorar o seu quadro de saúde”, explicou ao ressaltar que outro motivo também foi o fato de já estar no tempo para efetivar a coleta de sangue”, ressaltou o voluntário que doa sangue há mais de 10 anos e tem tipo sanguíneo O Positivo. Seu dados cadastrais estão atualizados em função da regularidade de suas doações.

Hemorrede - As ações de incentivo à doação voluntária de sangue são mantidas nas 11 unidades da hemorrede estadual. No Hemocentro Regional Marabá, houve campanha interna de doação de sangue em parceria com militares da I Companhia Independente de Missões Especiais, que encaminhou 51 alunos do Curso de Força Tática/2021, nesta terça-feira (26).

Segundo a tenente Gabrielle Cristina Domingos Cordeiro, sub comandante da Unidade Militar, “a campanha de solidariedade é uma forma de reafirmar o nosso compromisso com a sociedade que é servir e proteger, além de acentuar a importância de doar sangue e a parceria com Hemocentro”.

Já no Hemonúcleo Redenção (Henca), houve uma ação de educação em parceria com a Faculdade Integrada Carajás (FIC), onde os acadêmicos de Farmácia tiveram a oportunidade de conhecer o ciclo do sangue e vivenciar a importância de ser um profissional solidário, além de incentivar a doação de sangue. O projeto foi idealizado pela professora Michele das Neves. Ao final, alguns alunos doaram sangue.

Por Vera Rojas (HEMOPA)