Polícia Civil do Pará prende acusado de liderar assaltos a bancos e carros-fortes

Agentes da Delegacia de Repressão a Roubos a Banco e Antissequestro, que investigam o assalto em Cametá, efetuaram a prisão em Açailândia, no Maranhão

21/10/2021 22h28 - Atualizada em 21/10/2021 23h24

A Polícia Civil do Pará cumpriu, nesta quinta-feira (21), 10 mandados de prisão preventiva contra um homem investigado pela participação em crimes contra instituições financeiras, na modalidade “novo-cangaço”, e contra veículos de transporte de valores. O homem foi preso no município de Açailândia, no Maranhão, e é considerado um dos maiores assaltantes de banco e carro-forte em atividade no Brasil. A prisão foi efetuada por agentes da Delegacia de Repressão a Roubos a Banco e Antissequestro (DRRBA), vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO). 

"A prisão do investigado demonstra o intenso trabalho investigativo da Polícia Civil, que está empenhada há mais de 10 meses na captura dos autores do roubo a banco que ocorreu no município de Cametá (no Pará). A prisão do oitavo criminoso, líder do bando, é considerada de extrema importância para o desenrolar das investigações, que já se encaminham para o final", informou o delegado Erisson Leal, que presidiu a operação.O preso investigado por vários crimes já está à disposição da Justiça no Sistema Penitenciário do Pará

O preso teve participação efetiva no assalto a uma agência do Banco do Brasil, no município de Cametá, no Baixo Tocantins, a 235 km de Belém, no dia 1° de dezembro de 2020. O homem foi responsável pela logística de armamentos e explosivos utilizados no crime.

O acusado é natural da cidade de Santa Maria da Boa Vista, em Pernambuco, e chegou ao Pará em 2017, já como foragido, tendo realizado entre os anos de 2017 e 2020 diversas ações de “novo cangaço” e ataques a carros-fortes em vários estados do Brasil, como Pará, Tocantins, Maranhão, Pernambuco, Bahia e Paraíba. 

Sem ocorrências - De acordo com o delegado-geral da Polícia Civil, Walter Resende, o trabalho investigativo da PC do Pará vem prevenindo e reprimindo essa modalidade criminosa no Estado. "O trabalho resultou na redução para zero ocorrência no ano de 2021, além da prisão de vários criminosos e apreensão de armamentos, explosivos e veículos utilizados nessas ações”, informou. Agentes da PC do Pará foram ao Maranhão prender o acusado

De acordo com a Polícia Civil, o grupo criminoso do qual o preso faz parte planejava o roubo a um carro-forte entre os municípios de Moju e Tailândia, na primeira quinzena de setembro, o que foi evitado pela atuação preventiva da Delegacia Especializada da Polícia Civil, o que resultou na apreensão de armamentos de grosso calibre e explosivos no município do Acará, no dia 11 de setembro deste ano. 

O preso também é acusado de organizar, neste ano, de ação de “novo-cangaço” contra o Banco Bradesco, no município de Monção, na região de Santa Inês, que está sendo investigada pela Polícia Civil do Maranhão. 

Acusações - No momento da prisão foi dado cumprimento aos seguintes mandados de prisão preventiva, expedidos pela Justiça paraense: 

• Comarca de Conceição do Araguaia - ação novo cangaço contra o Banco Bradesco em Santa Maria das Barreiras (Sul do Pará) em 10/07/2018;

• Comarca de Marabá - roubo contra carro-forte, que ocorreu na BR-155, entre os municípios de Marabá e Eldorado do Carajás (no Sudeste), no dia 31/08/2019. 

• Comarca de Cametá - crime de roubo novo cangaço contra o Banco do Brasil, no dia 01/12/2021, sendo o oitavo suspeito preso neste crime.

Armamentos e explosivos apreendidos por agentes da Polícia CivilEquipes da Polícia Civil do Pará também cumpriram outros mandados de prisão preventiva em aberto contra o suspeito da Comarca de Conceição, na Paraíba (PB); Comarca de Salgueiro, em Pernambuco; das comarcas de Barra e Paulo Afonso, na Bahia, e três mandados de prisão preventiva oriundos das comarcas de Pedro Afonso e Arapoema, no Tocantins, por ataques a carros-fortes em 2019, nas cidades de Pedro Afonso, Rio dos Bois e Arapoema (todas no Tocantins), contabilizando dez prisões preventivas.

Eficiência - O delegado-geral Walter Resende também destacou a celeridade na localização de mais um suspeito. "Com mais uma prisão vamos dar continuidade às investigações para identificar outros membros da associação criminosa e continuarmos o trabalho de combate à criminalidade em nosso Estado. Esse é mais um exemplo dos investimentos de ponta no nosso Núcleo de Inteligência Policial, e a orientação do governador Helder Barbalho no combate às organizações e facções criminosas que tentam se instalar em nosso Estado", assegurou. 

Após ser ouvido, o preso considerado um dos maiores assaltantes de banco do Brasil, foi encaminhado ao Sistema Penitenciário, onde já se encontra à disposição da Justiça.

Texto: Talison Lima - Ascom/PC

Por Governo do Pará (SECOM)