Registro de ocorrências é fundamental para mapeamento de áreas de roubo de celular

O máximo de informações ajuda a Polícia Civil na recuperação dos celulares e a identificar os locais de maior ocorrência desse tipo de crime

23/09/2021 20h59 - Atualizada em 23/09/2021 21h38

Ter um celular furtado ou roubado não pode ser visto como uma perda pela vítima. A Polícia Civil do Estado do Pará ratifica a necessidade de registrar a ocorrência, informando o máximo de detalhes possível. É com base nesses registros e estatísticas que o Sistema de Segurança Pública estadual consegue traçar estratégias e ações para minimizar e anular ações criminosas.

Todo registro dessa modalidade de crime vai para o banco de dados do Sistema de Segurança Pública. A partir dele, o Estado analisa os locais onde os crimes ocorrem - informação essencial para o planejamento voltado ao combate à criminalidade.

De acordo com o diretor de Polícia Metropolitana, delegado Daniel Castro, o sistema operacional da instituição dispõe de uma ferramenta que georreferencia os locais da ocorrência, e isso permite verificar exatamente onde ocorrem os crimes, sejam furtos ou roubos, em especial de celulares.

"É com base nessa distribuição que a Polícia Civil do Pará e a Polícia Militar traçam seus direcionamentos, desde a distribuição dos efetivos até ações policiais. Importante ainda fazer o registro da 'impressão digital' do telefone, o IMEI, no site Alerta Celular (alertacelular.pa.gov.br), pois temos realizado com frequência o trabalho de recuperação de aparelhos", informa o delegado. "Sem esse registro, na possibilidade de rastrearmos o aparelho e recuperá-lo, não teremos como entregar ao dono", frisou.

Daniel Castro enfatiza ainda a importância de colocar senhas ou digitais em todos os aplicativos de celular, em especial os de conversa, com verificação em duas etapas, e os bancários, e nunca salvar a senha ou permitir o acesso automaticamente.

Passo a passo - Para fazer o boletim de ocorrência é preciso ir à Seccional mais próxima do local do crime ou fazer a ocorrência on-line pela Delegacia Digital. O ideal é passar o máximo de informações, desde o IMEI (Identificação Internacional de Equipamento Móvel) do aparelho até as características do assaltante.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) informa que em 2021, de janeiro a julho, 22.283 casos de roubo de celulares foram registrados em todo o Estado. Em 2020, no mesmo período, foram 18.089 ocorrências.

Desenvolvido pela Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Pará (Prodepa), o serviço Alerta Celular tem como objetivo ajudar a devolver aparelhos recuperados a seus donos. Além disso, serve como base de consulta para identificar aparelhos roubados, inibindo qualquer tipo de comercialização de celulares em situação de alerta.

Por Carol Menezes (SECOM)