Governador visita obras das Usinas da Paz

A visita foi realizada nos terrenos da Cabanagem, em Belém, e Icuí-Guajará, em Ananindeua. As obras seguem em ritmo acelerado e a previsão é que essas unidades sejam entregues à população ainda este ano.

05/03/2021 17h48 - Atualizada em 05/03/2021 18h42

Governador do Estado, Helder Barbalho, visitou, na tarde desta sexta-feira (05), duas obras de onde serão construídas as Usinas da Paz, projeto prioritário do Governo que integra o programa estadual Territórios Pela Paz (TerPaz). O primeiro terreno escolhido foi o da Cabanagem.

“As Usinas da Paz serão equipamentos fantásticos e multifuncionais para que a comunidade possa aqui cuidar das pessoas, fazer projetos sociais, integração com a comunidade, com a juventude, com as crianças e descobrir talentos e aqui promover a cidadania e a transformação social do bairro”, informou o Governador.

Segundo Helder Barbalho, as Usinas da Paz vão ajudar a reduzir, ainda mais, o índice de violência nos territórios. “Esta é uma ação integrada do Governo do Estado que busca a partir da presença do Governo, com diversas ações mudar a realidade social, diminuir a violência e com estas usinas ficando prontas certamente nós continuaremos a avançar na melhoria do bairro da comunidade e garantido paz para nossa população”, comentou.

ICUÍ-GUAJARÁ

Após a visita nas obras da Cabanagem, o chefe do Estado seguiu para as obras da Usina da Paz localizada no território do Icuí-Guajará, em Ananindeua. Onde foi acompanhado pelo prefeito do município, Doutor Daniel Santos e dirigentes da Vale. “A obras estão em andamento e gerando trabalho e renda. E quando finalizadas irão assegurar um espaço apto para realização de políticas públicas que ampliarão cada vez mais a cidadania e a segurança da população paraense”, informou o gerente de Relações Governamentais e Institucional da Vale no Pará, José Fernando Gomes.

É o caso do jovem, André Serra, que atualmente trabalha como sinaleiro de obra da Usina da Cabanagem, responsável por cuidar da segurança, sinalizar o canteiro de obras e identificar as áreas de risco. “Além dos serviços que serão ofertados para a comunidade, essa oportunidade de emprego chegou em boa hora, já que eu estava desempregado há algum tempo”, disse.

Para o comerciante José Braga, que mora de aluguel em um imóvel que fica em frente a Usina da Cabanagem, a Usina da Paz significa esperança. “Moro na Cabanagem há 15 anos, achei muito importante esse projeto. Estávamos precisando de serviços como esses, principalmente na área da saúde’’, disse.

SAIBA MAIS SOBRE AS USINAS DA PAZ

Coordenado pela Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac), o projeto consiste na construção de 10 Usinas no Estado, sete nos bairros atendidos pelo TerPaz, na região Metropolitana de Belém, e em mais três cidades da região sudeste do Estado (Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá).

As obras são executadas em parceria com as empresas Vale e Hydro, que estão arcando integralmente com os custos. O governo não receberá nenhum recurso econômico, mas receberá as Usinas prontas e equipadas.

A empresa Vale é a responsável pelos projetos executivos das unidades da Cabanagem, Benguí, Icuí, Nova União, Parauapebas, Canaã dos Carajás. Já por parte da Hydro, o investimento será destinado à construção dos espaços nos bairros do Guamá, Terra Firme e Jurunas. E em Marabá, o governo está avaliando a implantação do projeto.

As UsiPaz são complexos voltados para a prevenção à violência, a inclusão social e o fortalecimento comunitário, com sete eixos fundamentais:

1. Capacitação técnica e profissional, educação básica, arte e cultura.
2. Emprego e renda, microcrédito e empreendedorismo, economia solidária.
3. Habitação, regularização fundiária e urbanização.
4. saúde, esporte/lazer, assistência social.
5. Tecnologia e inclusão digital.
6. Meio ambiente e sustentabilidade.
7. Mediação de conflitos e prevenção à violência.

Dentre os espaços estão os complexos esportivos, salas de audiovisual, espaços de inclusão digital e vários serviços, como atendimento médico e odontológico, consultoria jurídica, emissão de documentos, ações de segurança, atividades profissionalizantes, espaço multiuso para feiras, eventos e encontros da comunidade. Também haverá espaços para cursos livres e de dança, artes marciais, musicalização e biblioteca.

A previsão é que seja entregue quatro unidades ainda este ano, nos territórios da Cabanagem, Icuí, Nova União e em Parauapebas.

Por Paulo Garcia (SEAC)