Pará está entre as 15 unidades da federação com os melhores desempenhos na Segurança Pública

18/09/2020 14h42 - Atualizada em 18/09/2020 14h57
Por Aline Saavedra (SEGUP)

Mais uma vez, a atuação dos órgãos de segurança pública do Pará é avaliada positivamente por um organismo de monitoramento e avaliação nacional. Um estudo divulgado nesta sexta-feira, 18, do Ranking de Competitividade dos Estados, edição 2020, apontou que o Pará está no 13° lugar, com a nota 65,3 (máximo 100) ao analisar o desempenho de cada unidade da federação no pilar "Segurança Pública", com destaque positivo ao subir oito posições no ranking, com avanços relativos nos indicadores de presos sem condenação, segurança pessoal e segurança patrimonial. O estudo foi elaborado pelo Centro de Liderança Pública (CLP), levando em consideração o ano de 2019.

Os demais indicadores utilizados foram: atuação do sistema de justiça criminal, déficit carcerário, mortes a esclarecer, morbidade no trânsito, mortalidade no trânsito e qualidade da informação de criminalidade. Neste último, o Estado ficou em 2° lugar. O pilar de segurança pública recebe o maior peso (13,8%) entre os 10 pilares temáticos que constituem o Ranking de Competitividade dos Estados nesta edição de 2020.

De acordo com o estudo, a segurança pública é o serviço público que melhor expressa o funcionamento das instituições do Estado, visto que a construção da ordem e a proteção aos direitos individuais ao longo de toda história se mostraram essenciais para a construção de um ordenamento virtuoso para o desenvolvimento. Ainda segundo o ranking de competitividade, o Estado moderno nasceu fundamentalmente para criar estabilidade interna e proteção externa para sua comunidade. A segurança pública, no limite, é a dimensão que separa os países com equilíbrio virtuoso para o desenvolvimento dos chamados “Estados falidos”. A preservação dos direitos individuais, aliada à preservação do primado da lei e à construção de mecanismos de institucionalização dos conflitos, é condição fundamental para o bem-estar social e a competitividade dos Estados. 

Para o secretário de segurança pública e defesa social, Ualame Machado, o estudo reconhece os avanços conquistados no Pará e reforça as informações repassadas pela instituição. “Nós temos mais um reconhecimento externo, não é só o Governo falando, são os organismos externos, que estabeleceu ranking de competitividade entre os Estados, em que o Pará ficou em 2° lugar no Brasil em relação a qualidade da sua informação e também avançou 8 posições em relação ao relatório anterior. Saímos do 21° lugar para 13° no ranking da qualidade da segurança pública. O que demonstra o reconhecimento do trabalho que vem sendo feito, até por órgãos externos, e a certeza de que estamos no caminho correto, que pode melhorar e deve melhorar ainda mais, mas sempre trabalhando na premência do forte investimento, na inteligência e também na integração dos órgãos e do sistema. Para nós é motivo de incentivo de poder melhorar cada vez mais, mas também na missão e responsabilidade de manter e progredir com o Estado em posições melhores nos anos seguintes”, afirmou o secretário de estado.  

Para o próximo ano, a expectativa é de melhorar, sempre mais, a atuação dos agentes e assim proporcionar mais qualidade de vida, com segurança e paz social à população. “A gente espera que quando os dados de 2020 forem fechados, período em que já temos uma forte redução, que a gente consiga melhorar ainda mais esse ranking, talvez entrando entre os 10 estados com os melhores índices na segurança pública”, acrescentou Ualame Machado.

Ao analisar apenas a região norte, o Pará foi o 5° Estado melhor colocado. Na análise geral, reunindo todas as unidades da federação, o Pará ocupou o 24º lugar no ranking geral. Amazonas, entre os estados do Norte, ocupou a melhor posição, estando no 14º lugar geral.

Na análise macro os 10 pilares avaliados foram: segurança pública, sustentabilidade social, infraestrutura, educação, solidez fiscal, eficiência na máquina pública, capital humano, inovação, potencial de mercado e sustentabilidade ambiental.