Secult lança portaria e dialoga com a comunidade PcD

Governo avança ampliando políticas de acessibilidade.

09/02/2020 16h29 - Atualizada em 09/02/2020 18h12
Por Thaís Siqueira (SECULT)

A manhã deste domingo (09) foi de diálogo entre o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), e pessoas com deficiência (PcD) para discutir acessibilidade nos equipamentos do Sistema Integrado de Museus (SIM). A ação aconteceu na Igreja Santo Alexandre e faz parte das iniciativas da atual gestão pela construção de programações mais inclusivas nesses espaços.

A mesa contou com a presença de Aline Corrêa, audiodescritora, Davi Leão, membro da comissão de proteção dos direitos da pessoa com deficiência da OAB, Armando Sobral, diretor do SIM, de intérpretes de libras e da secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal.

Para Aline Corrêa, esse momento de diálogo é uma conquista para o movimento das pessoas com deficiência.

“Já temos a Lei Brasileira de Inclusão, que é o Estatuto da Pessoa com Deficiência, e agora viemos com essa parceria com a Secult para a implementação dessa legislação. Nesse momento, buscamos escutar as especificidades de cada segmento entre todas as categorias de pessoas com deficiência porque são elas que vão nos dizer o que, de fato, precisam”, explicou a audiodescritora.

A estudante do curso de história, Rosi Lobo, também participou do bate-papo. Ela tem deficiência visual e destacou a necessidade de ter, como futura educadora, uma experiência facilitada nos espaços museais. “É fundamental, para mim, enquanto professora de história, poder trazer meus alunos para conhecer nossos museus. Mas, para isso, eu preciso ter acesso a esses locais. Nós, pessoas com deficiência, consumimos e produzimos cultura, então quando a secretaria nos chama para esse diálogo, ela está quebrando um padrão extremamente excludente e dando um passo para uma inclusão plena”, frisou.

Com o intuito de contribuir para essa acessibilidade, os alunos da escola estadual Jarbas Passarinho, Karen Santos, Paulo Marques, Ana Luiza Camelo e Rodolfo Thiago desenvolveram uma maquete em 3D do Forte do Presépio, com audiodescrição e um vídeo em libras. “A ideia do projeto surgiu de uma conversa com nosso professor Jarbas Silva. Ele nos falou que, como pessoa com deficiência visual, tinha dificuldade em apreciar a arquitetura de Belém e um dos lugares mencionados por ele foi o Forte. Criamos a maquete pra proporcionar a ele essa experiência”, contou Ana Luiza. Com essa iniciativa, eles alcançaram o 3º lugar na etapa estadual do Campeonato First Lego League e vão para o nacional, em São Paulo, no início de março.

Acessibilidade - A portaria nº 051, de 05 de janeiro de 2020, ampliou a gratuidade nos museus do SIM. Antes, crianças de até 10 anos, idosos e PcD tinham livre acesso a esses espaços nos dias de funcionamento. Agora, professores, estudantes e crianças de até 12 anos também terão gratuidade permanente. Além disso, para a população em geral, além das terças-feiras, o 1º domingo de cada mês também terá entrada gratuita. A portaria instituiu ainda o “Domingo da Acessibilidade e da Inclusão”, momento que ocorrerá todo 2º domingo do mês e contará com serviços de intérpretes de Libras em espaços do SIM.

"A questão da acessibilidade é de nível nacional, então nossos museus têm que acompanhar essas demandas e implementar, cada vez mais, programas voltados para PcD. Os museus não podem virar as costas para a sociedade, precisam ser inclusivos e estar abertos a toda a população, sem distinção”, destacou Armando Sobral, diretor do Sistema Integrado.