Governo do Pará entrega o Monumento da Cabanagem

Obra de Oscar Niemeyer foi totalmente revitalizada e agora terá segurança 24 horas

30/12/2019 12h49 - Atualizada em 30/12/2019 18h27
Por Larissa Noguchi (SECOM)

A revitalização do Monumento da Cabanagem incluiu limpeza, paisagismo e um novo projeto luminotécnico que valoriza cores da Bandeira do ParáO Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), entregou na manhã desta segunda-feira (30) o Memorial da Cabanagem, em Belém, completamente revitalizado. Desde a primeira semana de 2019, o governo e a Secult ficaram responsáveis pelo espaço, que antes era de domínio municipal. O monumento recebeu limpeza, paisagismo, encaminhamento de pedestres e um novo projeto luminotécnico. A cripta, onde estavam os restos mortais de líderes da cabanagem, está com a exposição temporária "Vozes da Cabanagem". A segurança no local será feita pela Polícia Militar, 24 horas por dia.

“Eu pude participar da inauguração do monumento, em 1985 e, infelizmente, de lá para cá estava muito abandonado. Espero que agora, esse patrimônio seja preservado com a ajuda da sociedade. A Cabanagem foi a maior revolução do nosso povo”, ressaltou Rudivaldo Souza, historiador e morador de Belém que foi prestigiar o ato de reabertura do monumento.

A cripta, onde estavam os restos mortais de líderes cabanos, está com a exposição temporária ″Vozes da Cabanagem″O Monumento, localizado no Complexo Viário do Entroncamento, foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurado pelo então governador Jader Barbalho, no dia 7 de janeiro de 1985, em comemoração aos 150 anos do Movimento (1835-1840). Com 15 metros de altura por 20 metros de comprimento, todo em concreto, o monumento simboliza a luta dos cabanos, que protagonizaram um dos movimentos populares mais importantes do Brasil no século XIX.

“Estamos devolvendo esse patrimônio para a cidade. Tudo isso valoriza a participação de ribeirinhos, negros e mulheres para demonstrar que juntos é possível fazer uma terra de direitos. Oscar Niemayer deu de presente essa obra e estamos aqui para valorizar nossa história para que as pessoas tenham pertencimento à sua própria história”, disse Ursula Vidal, secretária de Estado de Cultura.

Uma exposição temporária foi montada na cripta com documentos históricos catalogados pelo Arquivo Público do Estado do Pará (Apep), a mostra apresenta oito painéis que mostram a diversidade dos povos que participaram do Movimento, incluindo negros escravizados e libertos, diversas etnias indígenas, mulheres, ribeirinhos, a elite local e pessoas de outras províncias, como é o caso do Ceará. Cada grupo lutava por seus interesses, o que fez da Cabanagem um movimento multifacetado. 

O governador Helder Barbalho (c), ao lado da secretária Ursula Vidal e de outras autoridades, ressaltou a importância do Monumento para a preservação da história do ParáO governador do Pará, Helder Barbalho, visitou todo o memorial, a exposição e descerrou a placa ao lado das demais autoridades.

“O Pará precisa valorizar a sua história para que possamos compreender aquilo tudo que antecedeu os dias de hoje. Nós estamos fazendo este resgate, e isso, seguramente, representa um dos capítulos mais importantes da memória paraense.  Esse monumento nos faz relembrar o quanto o povo paraense é lutador, trabalhador e que não deve se conformar com pouco. Esse deve ser o sentimento aflorado em cada um de nós, e isso deve ser resgatado todos os dias, trazendo também os estudantes para saber o que foi e o que ele representou", enfatizou Helder Barbalho, governador do Pará.

O Monumento foi construído para abrigar os restos mortais do cônego Batista Campos e dos líderes cabanos Félix Clemente Malcher, Francisco Pedro Vinagre, Antônio Vinagre e Eduardo Angelim. A rampa elevada em direção ao céu representa a grandiosidade da revolta popular, que chegou muito perto de atingir seus objetivos, enquanto a "fratura" faz alusão à ruptura do processo revolucionário. O Monumento foi revitalizado após décadas de abandono e constantes arrombamentos, pichações e depredações.

O Monumento, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, foi inaugurado pelo então governador Jader Barbalho em janeiro de 1985Raiz social – A Cabanagem foi uma revolução popular que ocorreu na Província do Grão-Pará (atual Estado do Pará) - formada pelos menos abastados da área urbana, membros da elite local e por pessoas que moravam em cabanas à beira dos rios, conhecidas como cabanos ou ribeirinhos. O movimento foi motivado pelo abandono social por parte do Governo Regencial (1831–1840), que levou o povo à pobreza e falta de emprego. Até a elite local estava descontente com o Governo, e todos queriam a independência da região.

Embora tenha sido sufocada, a Cabanagem permanece viva na memória do povo paraense. Por isso, o bloco do Memorial continua subindo para o infinito, apontando para o distrito de Icoaraci, onde muitos combatentes cabanos foram mortos e enterrados, simbolizando a essência e os ideais do movimento.